Fantina/VIII

Wikisource, a biblioteca livre
< Fantina
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
VIII
por Francisco Badaró


—Que não aborrecessem, que era senhora de si, que não supportava massadas,—dizia D. Luiza ao compadre Zé de Deos.

—E' o que vem a acontecer. Todos muito mal satisfeita, senhora comadre.

—Que estejam;—murmurou ella levantando-se para ver quem chegava no terreiro.

Era o Frederico com o Juca.

Reunidos na espaçosa sala onde os moveis de jacarandá preto derramavam uma côr triste e melancolica, D. Luzia perguntava a Frederico como se houvera pela roça. Elle era muito corado, com os cabellos em desalinho pela testa, ia os concertando e contando as particularidades frias do passeio. O Zé de Deos encostado ao portal riscava phosphoros um atraz do outro, para accender uma ponta de cigarro que já lhe chammuscava os beiços. De vez em quando dizia lá comsigo:

Que grande bandalheira ! este cavalheiro de industria metteu-se aqui e a bebada da velha está pelo beiço... Que eu os atrapalho, não resta duvida. E' simplesmente um desaforo; —concluia atirando um jacto de saliva preta lá para um canto. Levantou-se, e passeando pela varanda pensava no titanico vagabundo, que em má hora entrou-lhe em casa, dizia :

—Veio do inferno me perturbar : já estava a minha fazenda do Ribeirão quasi em negocio, porque em casando-me com ella tornava-me, por força de lei, senhor e possuidor do Ingaseiro.

E vendo esses castellos derrocados só com a lembrança de Frederico enfurecia-se atrozmente, supinamente.

Entrando na sala disse :

—A senhora comadre ha de permittir, mas eu vou me chegando para casa.

—E' muito cedo, compadre ! . . . o jantar não demora. E' melhor esperar a tardinha, porque o sol está de rachar.

—Visto isso espero.

Lembrou-se de bons pratos da abundancia animadora, e por amor da gastronomia esperou. Cravando os olhos no rosto de Frederico elle disse :

—O senhor tem engordado bastante ! ?

—E' verdade. Tenho passado bem ; e poucos amoladores.

A ultima palavra muito accentuada fez o Zé de Deos corar, e para disfarce, principiou a fazer novo cigarro.

D. Luzia internamente apreciava a conversação do compadre com o eleito; e ria-se quando aquelle era humilhado por este. Reatavam o fio da prosa quando chamaram para o jantar.

Entraram.

As vidraças da sala estavam suspensas, e umas paineiras visinhas mettiam familiarmente para o lado de dentro os seus grandes e frondosos ramos. Os passaros com a sombra e frescura da sala gorgeavam scintillantemente; e á porfia chirleavam dois sabiás e um negro e luzidio gorricho. Frederico sentia-se alegre, jovial; contava casos, ria. Uma outra passarada parecia estar cantando no seu peito feliz.


PD-icon.svg Este material está em domínio público nos Estados Unidos e demais países que protejam os direitos autorais por cem anos (ou menos) após a morte do autor.