Flores do Mal/Canção da Sésta

Wikisource, a biblioteca livre
< Flores do Mal

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

LIX

Canção da Sésta


Embora no teu olhar
Não brilhe a calma das santas,
Não deixarei de te amar,
Feiticeira que me encantas,

Ó volúvel, eu te quero
Com uma ardente paixão,
Como um devoto sincero
Á sua religião.

Tua basta cabeleira
É uma selva olorosa;
A cabeça prazenteira:
Esfinge misteriosa;

Tua carne palpitante
É um turib’lo permanente;
Minha noite deslumbrante,
Ninfa tenebrosa e quente!

Tu ressuscitas um morto
Do teu olhar com a ardência;
Não ha filtro nem conforto
Que valha a tua indolência!

Teus flancos são orgulhosos
Das tuas graças trigueiras;
Os teus modos langorosos
Fascinam as travesseiras.

A’s vezes, para aplacares
A raiva que te flagela,
Dás-me, preciosos manjares,
Quanto beijo e mordedela!

Dilaceras.me, querida,
Maldosa, a rir, a brincar,
E p’ra curar a ferida
Dás-me a luz d’um meigo olhar.

Sob os teus pés pequeninos,
Sob os teus chapins risonhos,
Eu coloco os meus destinos,
O meu talento, os meus sonhos,

E a minh’alma, que salvaste
Furtando a á treva funérea!
Luz viva que despontaste
Na minha fria Sibéria!