Fui eu, fremosa, fazer oraçón

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fui eu, fremosa, fazer oraçón
por Afonso Lopes de Baião


Fui eu, fremosa, fazer oraçón,
non por mia alma, mais que viss'eu i
o meu amigo, e, poi-lo non vi,
vedes, amigas, se Deus mi perdón,
     gran dereit'é de lazerar por én,
     pois el non vẽo, nen haver meu ben.

Ca fui eu chorar destes olhos meus,
mias amigas, e candeas queimar,
non por mia alma, mais po-lo achar,
e, pois non vẽo, nen o dusse Deus,
     gran dereit'é de lazerar por én,
     pois el non vẽo, nen haver meu ben.

Fui eu rogar muit'a Nostro Senhor,
non por mia alma candeas queimar,
mais por veer o que eu muit'amei
sempr', e non vẽo o meu traedor;
     gran dereit'é de lazerar por én,
     pois el non vẽo, nen haver meu ben.