Hino do município de Cururupu

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hino do município de Cururupu
Letra por Djalma dos Santos Frazão
Melodia por Djalma dos Santos Frazão

Sob os luzeiros do céu
Refletidos no mar
Bravas gentes em batel (bis)
À terra vêm aportar.

Nesta vida,
Eterna lida,
Para a raça litorânea,
O mar está na própria alma,
Que pelo contato da infância,
Afronta-o com majestosa calma.
Cururupu, no Maranhão
É gleba do litoral do norte
E rebrilha na amplidão,
como lume natural bem forte.

Sob os luzeiros do céu
Refletidos no mar
Bravas gentes em batel (bis)
À terra vêm aportar.

Ao raio de luz,
Tudo reluz,
Mas, seu praial é similar
Do fulgor do nosso cristalino,
Que rebrilhando à beira mar,
Ao som da vaga, merece o hino.
Fertilidades há no torrão,
Que nunca sofrerão desgastes,
São pendores do coração:
Amor, fé, cultura e artes.

Sob os luzeiros do céu
Refletidos no mar
Bravas gentes em batel (bis)
À terra vêm aportar.

Pela messe
Sempre uma prece
Da nossa região centro-rural
Nos crepúsculos vespertinos
Emite-se oração campal,
Em prol do nosso destino.

Terra berço do gentio guerreiro
Onde o português encontrou arrimo
Gerando com o negro obreiro,
Um povo destas plagas genuíno.

Sob os luzeiros do céu
Refletidos no mar
Bravas gentes em batel (bis)
À terra vêm aportar.

Obra divinal,
Gera imortal,
Do verso artesão habilíssimo,
Ao nascer nosso mar o embalara
Laureando este país fertilíssimo,
Com os sonhos que editara.

Deste torrão gerações se levantam,
Sempre a irradiar pensamento novo
E a cantar, pescam e plantam,
Sendo em terra e mar um grande povo.

Sob os luzeiros do céu
Refletidos no mar
Bravas gentes em batel (bis)
À terra vêm aportar.