História Geral do Peru/I

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Historia General del Perú pg 41.jpg


HISTÓRIA

GERAL

DO PERU.

CAPÍTULO PRIMEIRO.


Se existem muitos mundos. Tratam-se
das cinco zonas.

Tendo que lidar com o Novo Mundo, ou a melhor e mais importante parte dele, que são os Reynos e províncias do Império chamados Peru, cujas antiguidades e origem de seus reis pretendemos escrever, parece que era justo, de acordo com o costume comum de os escritores, para tratar aqui no começo, se o mundo é é apenas um, ou se existem muitos mundos, se é plano ou redondo, e se o céu é redondo ou plano. Se toda a terra é habitável, ou não mais que as zonas temperadas: se houver passagem de uma temperada para outra; se existem antípodas e o que são; das quais e outras coisas semelhantes, os filósofos antigos longa e curiosamente trataram, e os modernos não param de falar e escrever, cada um seguindo a opinião que mais lhe agrada. Mas porque essa não é minha principal intensão, nem as forças de um índio podem presumir tanto; e também porque a experiência, depois que o que chamam de Novo Mundo foi descoberto, nos desiludiu da maioria dessas dúvidas, passaremos brevemente por elas indo para outro lugar, cujos termos finais, temo não alcançar; mais, confiando na infinita misericórdia, digo, que no começo pode ser afirmado que existe apenas um mundo, e embora chamemos de Velho Mundo e Novo Mundo, é porque ele foi descoberto novamente para nós, e não porque existem dois, mas apenas um. E para aqueles que ainda imaginam que existam muitos mundos, não há razão para respondê-los, mas deixem que permaneçam com sua imaginação herética até que o inferno os desiludem. E aqueles que duvidam, se houver alguém que duvide, seja plano ou redondo, podem ficar satisfeitos com o testemunho de quem já virou tudo, ou a maioria, como os da nau Victoria e outras que mais tarde aqui chegaram. E para o céu, se também for plano ou redondo, será possível responder com as palavras do Profeta Real: Extendens cœlum sicut pellem; em que ele queria mostre a forma e a criação da obra, dando uma como exemplo da outra, dizendo: que o céu deve se espalhar tanto quanto a pele; isto é, cobrindo com o céu esse grande corpo dos quatro elementos em circulo, assim como você cobriu com a pele em volta de todo o corpo de um animal, não apenas o principal; mas também todas as suas partes, por menores que sejam. Para aqueles que afirmam que das cinco partes do mundo, que chamam de zonas, não são mais habitáveis ​​que as duas temperadas, e que a do meio, devido ao calor excessivo, e os dois polos, por serem muito frias, são inabitáveis; e que de uma zona habitável não é possível passar para a outra habitável, devido ao calor intermediário: posso afirmar, por demais que todos saibam, que nasci em uma zona tórrida, em Cozco, e me cresci nela até os vinte anos de idade, e estive na outra zona temperada da outra parte do Trópico de Capricórnio, na parte sul, nos confins das Charcas, que estão os Chichas, e para chegar a este país temperado da parte norte, onde escrevo essas linhas, passei pela zona tórrida e a atravessei toda, e fiquei três dias corridos de baixo da linha equinocial, onde eles dizem que passa perpendicularmente, que fica no cabo de Pasau: por tudo o que digo, que a tórrida também é habitável como a temperada. Das zonas frias, eu gostaria de poder dizer por vista dos olhos, como nas outras três: remeto-me àqueles que sabem mais do que eu. Aos que dizem que, devido à sua frieza, são inabitáveis, ousarei dizer como aqueles que dizem o contrário que também são habitáveis ​​como as outras; porque em boa consideração, não é possível imaginar, quanto mais acreditar, que tão grandes partes do mundo Deus a tornassem inúteis, tendo criado tudo para a habitação humana; e que os antigos se enganaram no que diziam sobre as duas zonas frias, e como também se enganaram sobre o que disseram sobre as tórridas, que era inabitável devido ao seu grande calor. Antes que se acreditasse que o Senhor, como pai sábio e poderoso, e a natureza como mãe universal e piedosa, havia remediado os inconvenientes da frieza com a temperança do calor, como remediado o calor excessivo da área tórrida com tantas neves, fontes, rios e lagos como no Peru são encontrados, o que o torna temperado com tantas variedades de temperaturas; alguns que declinam ao clor, e a mais calor, até atingirem regiões tão baixas, e portanto tão quentes que são quase inabitáveis ​​devido ao calor elevado, como disseram os antigos. Outras regiões que declinam para o frio, e mais frias, até subir a partes tão altas, que também se tornam inabitáveis, devido à grande frieza da neve que perpetua sobre si mesmas têm, ao contrário do que os Filósofos disseram sobre essa área tórrida, eles nunca imaginaram que pudesse haver neve, perpetuamente sob a mesma linha equinocial, sem nunca diminuir, nem muito nem pouco, pelo menos na grande cordilheira, se não no sopé ou nos portos dela. E é sabido que na zona tórrida em que o Peru está localizado, não consistem no calor nem no frio em distância de regiões, nem em estar mais longe ou mais perto da equinocial, mas em ser mais alto ou mais baixo na mesma região, e em muita pouca distância de terra, como será dito mais adiante. Digo, então, que, por essa semelhança, pode-se acreditar que as zonas frias possam ser são temperadas e habitáveis, como muitos autores sérios têm, embora não pela visão e pela experiência; mas basta que ele entenda que o mesmo Deus quando criou o homem lhe disse: crescei e multiplicai-vos, tornai a terra humilde e a subjugai: onde se vê que é habitável, porque se não fosse, não poderia ser subjugada ou preenchida com habitações. Espero em sua Onipotência que, a seu tempo, descubra esses segredos, como descobriu o Novo Mundo, para maior confusão e afronta dos ousados, que com suas filosofias naturais e entendimentos humanos desejam avaliar o poder e a sabedoria de Deus, que não podem fazer suas obras, mais como eles as imaginam que exista tanta disparidade de um conhecimento para o outro quanto existe do finito ao infinito.