História Geral do Peru/advertencia

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 
ADVERTÊNCIAS
 
SOBRE A LÍNGUA GERAL
DOS ÍNDIOS DO PERU
 

Para entender melhor o que com o favor divino devemos escrever nesta história, porque nela temos que dizer muitos nomes na língua geral dos índios do Peru, será bom dar alguns avisos sobre isso. O primeiro é que ele tem três maneiras diferentes de pronunciar algumas sílabas, muito diferentes de como são pronunciadas no idioma espanhol, as tais pronúncias consistem em diferentes significados para um mesmo vocábulo: que algumas sílabas são pronunciadas nos lábios, outras no palato, outros dentro da garganta, como daremos mais tarde os exemplos no lugar que forem oferecidos. Para acentuar as dicções, note-se que elas têm em seus sotaques quase sempre na penúltima sílaba, raramente na antepenúltima sílaba e nunca na última; isto é, não contradizendo aqueles que dizem que as dicções bárbaras devem ser acentuados na última, dizem isso porque não conhecem a linguagem. Deve-se notar também que, na língua geral de Cozco, de quem é minha intenção falar, e não nas línguas particulares de cada província, que são inúmeras, faltam as seguintes letras b. d. F. g. j. jota, não há l simples, mas ll. duplicado e, inversamente, não há pronúncia de rr. duplicado no princípio de parte ou no meio da dicção, mas sempre deve ser pronunciado como simples. Também não há x., de modo que faltam seis letras do abc espanhol ou castelhano: e podemos dizer que faltam oito com o l simples o rr duplicado: os espanhóis adicionam essas letras em detrimento e corrupção da língua e, como os índios não as possuem, geralmente pronunciam erradamente as dicções espanholas que as possuem. Para acabar com esta corrupção, é lícito para mim, como sou indígena, que nesta história eu escreva como Índio, com as mesmas letras que essas dicções devem ser escritas: e não fará mal a quem as lê, para ver a novidade atual contrariamente ao mau uso introduzido, e que antes deveria ser um prazer ler esses nomes em sua propriedade e pureza. E porque é conveniente para mim alegar muitas coisas que os historiadores espanhóis dizem para comprovar o que estou dizendo, e porque tenho que tirar as letras de sua corrupção, como eles a escrevem, quero advertir, para que não pareça que estou me contradizendo ao escrever as letras que eu disse que naquela língua não tem, que eu faço, somente para retratar fielmente como o espanhol escreve. Deve-se notar também que não há número plural nesta linguagem geral, embora existam partículas que significam pluralidade. Usando-se o singular em ambos os números. Se algum nome indígena eu colocar no plural, será pela corrupção espanhola ou pelos bons adjetivos das dicções, que soariam ruins se escrevêssemos as dicções indígenas no singular e os adjetivos ou relativos castelhano no plural. Há muitas outras coisas nessa língua, muito diferentes do espanhol, italiano e latim, que os curiosos mestiços e crioulos perceberão porque são da sua língua, e eu estou muito cansado de ensiná-los desde a Espanha os princípios de sua língua, para que a mantenham em sua pureza, pois seria uma pena se fosse perdida ou corrompida, sendo uma linguagem tão galante, na qual os padres da Companhia de Jesus trabalharam duro, como outras religiões, para saber falar bem: e com o seu bom exemplo, o que é mais importante, eles se beneficiaram muito da doutrina dos índios. Note-se também que esse nome vizinho foi entendido no Peru como os espanhóis a quem se distribuíram índios: e, nesse sentido, o colocaremos sempre que tivermos oportunidade. Também é importante notar que no meu tempo, que foi até o ano de 1560, nem vinte anos depois, não houve moeda cunhada na minha terra: em vez disso, os espanhóis se entendiam na compra e venda de prata e ouro em marcas e onças; e como na Espanha dizem ducados, no Peru diziam pesos ou castelhanos: cada peso de prata ou ouro, reduzido à boa lei, valia quatrocentos e cinquenta maravedis. De modos que reduzidos os pesos a ducados de Castilla, cada cinco pesos são seis ducados. Dizemos isso, para que não cause confusão o contar nesta história em pesos e ducados. Da quantidade do peso de prata para peso de ouro, havia muita diferença, como na Espanha; mas o valor era o mesmo. Ao se trocar o de ouro pelo de prata, pagavam uma porcentagem de juros. Havia também juros na troca de prata testada pela prata que eles chamavam de corrente, que ainda deveria ser testada.

Esse nome Celeiro não é do idioma geral do Peru, deve ser das Ilhas Barlavento: os espanhóis o introduziram em seu idioma com muitos outros que serão notados na história. Isso significa sala grande. Os reis incas as tinham tão grandes que serviam como praça para realizar ali suas festas, quando o tempo estava chuvoso e não permitia que eles fossem realizadas nas praças; e estas advertências são suficientes.

 

.