História Geral do Peru/III

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 
CAPÍTULO III.
 
Como o Novo Mundo foi descoberto.
 

Por volta do ano de mil quatrocentos e oitenta e quatro, um mais ou menos, um piloto natural da cidade de Huelva, no condado de Niebla, chamado Alonso Sanchez de Huelva, tinha um navio pequeno com o qual fazia contratos de carga por mar e carregava da Espanha às Canárias, algumas mercadorias que vendiam bem lá; e das Ilhas Canárias ele carregava os frutos dessas ilhas e os levava para a Ilha da Madera, e dali retornava à Espanha carregados de açúcar e conservas. Andando nessa sua contratação triangular, atravessando as Ilhas Canárias para a Ilha da Madera, ocorreu uma temporal tão forte e tempestuoso que, incapaz de resistir a ele, deixou-se levar pela tempestade e passou 28 ou 29 dias sem saber onde estava ou para onde ia; porque durante todo esse tempo não pode se orientar nem pela altura pelo sol nem pelo norte. Os que estavam no navio padeceram um trabalho extraordinário na tempestade, porque não os deixaram comer ou dormir: depois de tanto tempo, o vento diminuiu e se viram perto de uma ilha; não se sabe ao certo qual era, mas suspeita-se que era a que agora é chamada de Santo Domingo; e é de grande consideração que o vento que o navio carregava com tanta violência e tempestade não poderia ter sido outro que não o solano, que eles chamam de leste, porque a ilha de Santo Domingo fica ao poente das Canárias; que vento naquela viagem antes apaziguá as tempestades que as provocam. Mas o Senhor Todo-Poderoso, quando quer mostrar misericórdias, ele traz à tona as causas mais misteriosas e necessárias de causas contrárias, ao tirar a água da pederneira e a visão do cego da lama que ele pôs em seus olhos, para que sejam notoriamente mostradas obras de a misericordia e a bondade divina, que também usou de sua piedade para enviar seu evangelho e verdadeira luz a todo o Novo Mundo, que tanto precisava dele; pois eles viveram, ou melhor dizendo, pereceram nas trevas dos gentis e idolatria tão bárbara e bestial, como veremos no discurso da história. O piloto saltou para a praia, mediu a altura e escreveu minuciosamente tudo o que viu e o que aconteceu com ele no mar tanto na ida como na volta; e, pegando água e lenha, voltou-se para continuar sua jornada, sem saber como iria ou voltaria; por essa razão, passou mais tempo do que era conveniente para ele e, devido à extensão do caminho, lhes faltaram água e comida; de cuja causa e por causa do trabalho árduo que sofreram, começaram a adoecer e morrer de tal maneira que, dos dezessete homens que deixaram a Espanha, não alcançaram a Terceira mais de cinco, entre os quais o piloto Alonso Sanchez de Huelva. Foram parar na casa do famoso Cristóvão Colombo, genovês, porque sabiam que ele era um grande piloto e cosmógrafo, e que ele fazia cartas náuticas. Ele os recebeu com muito amor e deu-lhes todo o obséquio por saber das coisas que aconteceram em um naufrágio tão estranho e longo, como o que disseram ter sofrido. E, como chegaram tão desamparados com a viagem passado, por mais que Cristóvão Colombo lhes desse, não conseguiram recuperar o juízo e todos morreram na sua casa, deixando-lhe a herança das obras que causaram sua morte: às quais aceitou o grande Colombo com tanto ânimo e esforço, que, tendo sofrido outros tão grandes e ainda maiores, à medida que duravam mais, ele partiu com a intenção de dar o Novo Mundo e suas riquezas à Espanha, como o colocou em seu brasão de armas, dizendo: a Castela e a Leon, o Novo Mundo foi dado por Colombo. Quem quizer ver os grandes feitos desse homem, leia a História Geral das Índias que Francisco Lopez de Gomara escreveu, que encontrará lá, embora de forma abreviada; mas que mais elogia e engrandece esse famoso entre os famosos é o próprio trabalho dessa conquista e descoberta. Eu queria acrescentar esse pouco que faltou do relato daquele antigo historiador, que, como ele escreveu longe de onde essas coisas aconteciam, e da relação que se dava entre entes e viventes, disseram muitas coisas que aconteceram, mas imperfeitas, e eu as ouvi em minha terra de meu pai e seus contemporâneos, que naqueles tempos a maior e mais comum conversa que eles tiveram, era repetir as coisas mais extraordinárias e notáveis ​​que aconteceram em suas conquistas: onde contaram o que dissemos e outras que diremos a seguir, que como viveram viveram na época de muitos dos primeiros descobridores e conquistadores do Novo Mundo, tiveram deles o relato inteiro de tais acontecimentos, e eu, como disse, escutei-as dos anciãos, embora, como menino, com pouca atenção, se a tivesse, poderia agora escrever muitas outras coisas de grande admiração, necessárias nesta história: direi aquelas que a memória manteve e com a dor daquelas que perdi. O M. R. P. Josef de Acosta também aborda essa história da descoberta do Novo Mundo, com a dor de não ser capaz de descrevê-la por completo, que também faltou a sua paternidade parte dos relatos dessa etapa, como em outras mais modernas, porque os antigos conquistadores já haviam morrido, quando aconteceu com aquelas partes, sobre as quais diz essas palavras, primeiro livro, capítulo dezenove: "Tendo demonstrado que não há como pensar que os primeiros habitantes das Índias tenham chegado até aqui com navegação feita para esse fim, segue-se que, se eles vieram por mar, talvez fosse por força de tempestades que chegaram nas Índias, o que, por mais imenso que seja o mar do oceano, não é uma coisa incrível, porque foi assim que aconteceu na descoberta de nossos tempos, quando aquele marinheiro, cujo nome ainda não sabemos, para que tanto não seja atribuído a outro autor senão a Deus, tendo passado por uma terrível e importunada tempestade, reconheceu o Novo Mundo, deixou como pagamento de um bom alojamento param Cristóvão Colombo a notícia de uma coisa tão grande. Assim poderia ser. Até aqui, foi de P. M. Acosta, levado à letra, onde mostra ter encontrado no Peru parte de nosso relacionamento e, embora não todo, mas o mais essencial. Este foi o primeiro começo e a origem da descoberta do Novo Mundo, da qual a grandeza pôde ser elogiada na pequena cidade de Huelva que tal filho criou, cujo relato, certificou Cristóvão Colombo, insistiu tanto em sua demanda, prometendo coisas nunca vistas ou ouvidas, mantendo como homem prudente o segredo deles, embora, embora sob sigilo, informou a pessoas de grande autoridade, próximas aos Reis Católicos que o ajudaram a sair com sua empresa, se não fosse por essa notícia que Alonso Sanchez de Huelva lhe deu, apenas seu conhecimento em cosmografia não podia prometer tanto e tão acertadamente quanto prometia, nem sair tão rapidamente com o empreendimento da descoberta; pois segundo aquele

(...) [1]

  1. Faltam as páginas 20 e 21 em que estão contidos a parte final deste capítulo.