História Geral do Peru/IV

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
deveria ir mais longe do que os outros e passar a linha equinocial para a parte sul, e perto dela, navegando de costa a costa, como estava navegando naquela jornada, viu um índio que, na foz de um rio, dos muitos que por toda aquela terra entram no mar, estava pescando. Os espanhóis do navio, com todo o recato possível, lançaram-se em terra, longe de onde o índio estava, quatro grandes corredores e nadadores espanhóis, para que ele não fugisse por terra ou por água. Depois que esse procedimento foi concluído, eles passaram com o navio na frente do índio, para que este pudesse vê-los e não prestasse atenção na cilada que estava sendo armada. O índio, vendo uma coisa tão estranha no mar, nunca jamais vista naquela costa, como era para velejar em um navio a plenas velas, ficou muito admirado, ficou atordoado e espantado , imaginando o que poderia ser aquilo que no mar via diante de si; e estava tão imbuído e engendrado nesse pensamento, que primeiro tiveram que abraçá-lo aqueles que iriam levá-lo, para que ele os sentisse chegar; e então o levaram ao navio com muita celebração e alegria de todos eles. Os espanhóis, tendo-o acariciado para que ele perdesse o medo de vê-los com barbas e roupas diferentes das deles, perguntaram-lhe por sinais e palavras que terra era aquela e como se chamava. O índio, pelos gestos e movimentos que com as mãos e o rosto o faziam como se fosse um mudo, entendeu que eles estavam perguntando, mas ele não entendeu o que eles estavam perguntando; e ao que ele entendeu estar perguntando, e respondeu rapidamente antes que lhe fizessem algum mal e nomeou seu próprio nome dizendo Berú, e acrescentando outro disse Pelú. Quis dizer, se você me perguntar qual é o meu nome, eu me chamo Berú; e se você me perguntar onde estava, digo que estava no rio: porque se sabe que o nome Pelú na língua daquela província é um nome apelativo e significa rio em comum, como veremos mais adiante em um autor sério. Para outra pergunta semelhante, o índio de nossa História de Flórida respondeu com o nome de seu senhor, dizendo urze e bredos, Tomo. 6. capítulo. 15. Onde havia colocado esse passo sobre o outro, dali o removi para colocá-lo agora em seu lugar. Os cristãos entenderam de acordo com seu desejo, imaginando que o índio os tivesse entendido e respondido a propósito, como se todos estivessem falando em castelhano, e desde aquela época, que era o ano de mil e quinhentos e quinze ou dezesseis chamaram Peru aquele riquíssimo e grande Império, corrompendo os dois nomes, como os espanhóis corrompem quase todas as palavras que eles tomam da língua dos índios daquela terra; porque se eles adotaram o nome de Indio Berú, mudaram o B. pelo P., e se o nome Pelú, que significa rio, mudaram o L. pelo R e, de um jeito ou de outro, disseram Peru. Outros que se gabam de ser mais polidos e são os mais modernos, corrompem duas letras e em suas histórias dizem Pirú. Os historiadores mais antigos, como Pedro de Cieza de Leon, o contador Agustin de Zarate, Francisco Lopez de Gomara, Diego Fernandez, natural de Valencia, e até o M.R.P.Fr. Geronimo Roman, por serem modernos, todos o chamam de Peru e não Pirú; e como aquele lugar onde isso ocorreu era certo que era o fim das terras que os reis incas haviam conquistado e sujeitos ao seu império, depois chamaram de Peru a tudo o que havia ali, que é o lugar de Quitu, até os Charcas, que eram o principal povo que governavam e que não têm mais que setecentas léguas de comprimento, embora seu Império tenha alcançado até o Chile, que somaria outras quinhentas léguas depois, que é outro reino muito rico e fértil.

(...) [1]

  1. Faltam as páginas 20 e 21 em que estão contidos a parte final deste capítulo.