História Geral do Peru/IX

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 
CAPÍTULO IX.
 
Idolatria e deuses que eles adoravam antes dos incas.
 

Para que a idolatria, a vida e os costumes dos índios do Peru sejam melhor compreendidos, será necessário dividir esses séculos em duas etapas: diremos como eles viveram antes dos incas e depois diremos como esses reis governaram, para que não se confunda uma com a outra, nem se atribua os costumes nem os deuses de uma a outra. Pelo que se sabe, naquela primeira era a dos antigos indígenas, alguns deles eram pouco melhor do que bestas mansas, e muitos outros piores do que animais selvagens; e, começando por seus deuses, dizemos que os possuíam de acordo com as outras simplicidades e falta de jeito que usavam, assim como na multidão deles, como na vilania e na baixaria das coisas que adoravam; porque é assim que cada província, cada nação, cada cidade, cada bairro, cada linhagem e cada casa têm deuses diferentes entre si, porque lhes parecia que um deus alheio, ocupado com os outros, não poderia ajudá-los, mas somente seu; e assim eles passaram a ter tantas variedades de deuses e tantos que eram inumeráveis; e porque eles não sabiam como os gentios romanos fazem deuses imaginários, como a esperança, a vitória, a paz e outros semelhantes, porque não elevaram seus pensamentos a coisas invisíveis, adoraram o que viam, alguns ao contrário de outros, independente das coisas que adoravam, ou se mereciam serem adoradas, nem respeitando-se a si próprio ao adorar as coisas que lhes eram inferiores: apenas procuravam diferenciar umas das outras, e cada uma do todo; e desta forma eles adoravam ervas, plantas, flores, árvores de todos os tipos, colinas altas, grandes rochas e suas fendas, cavernas profundas, seixos e pedregulhos, que em rios e riachos encontraram com cores diferentes, como jaspe. Eles adoravam a pedra esmeralda, principalmente em uma província que hoje é chamada de "Puerto Viejo", não adoravam diamantes ou rubis porque não havia nenhum naquela terra. Em vez deles, eles adoravam vários animais, alguns por sua ferocidade, como o tigre, o leão e o urso. E por isso, tinha-os como deuses, se por acaso se topassem com eles, não fugiam deles, mas deitavam-se no chão para adorá-los e se deixavam matar e comer sem fugir nem fazer qualquer defesa. Eles também adoravam outros animais por sua astúcia, como a raposa e os macacos. Adoravam o cão por sua lealdade e nobreza, e o gato cerval por sua leveza: o pássaro que chamam de cuntur por sua grandeza, e as águias adoravam certas nações, porque se orgulhavam de descender delas e também do cuntur. Outras nações adoravam os falcões por sua leveza e boa capacidade de ter o que comem em suas mãos: eles adoravam a coruja pela beleza de seus olhos e cabeça, e o morcego pela sutileza de sua visão, que causavam muita admiração àqueles que os viam à noite; e muitos outros pássaros adoravam como bem entendessem. Às cobras grandes, por sua monstruosidade e ferocidade, que eram encontradas nas terras dos "Antis" com cerca de vinte e cinco a trinta pés, mais ou menos de comprimento, e muito grossas, mais do que a coxa. Eles também tinham outras cobras menores como deuses, onde não existiam tão grandes, como nos "Antis", eles adoravam lagartos, rãs e sapos. Em suma, não havia animal tão vil ou sujo que eles não o tivessem como um deus, apenas por se diferenciarem uns dos outros em seus deuses, sem obedecer a nenhuma divindade neles, ou qualquer benefício que pudessem esperar deles. Eram muito simples em tudo, como ovelhas sem pastor. Mas não devemos nos surpreender que pessoas analfabetas ou sem qualquer ensino caiam em tamanha simplicidade; bem é bem sabido que os gregos e romanos, que tanto se gabaram de suas ciências, tinham trinta mil deuses florescendo em seu império.