História Geral do Peru/VI

Wikisource, a biblioteca livre
< História Geral do Peru
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 
CAPÍTULO VI.
 
O que um autor diz sobre o nome Peru.
 

Além do que disseram Pedro de Cieza, padre Joseph de Acosta e Gomara sobre o nome Peru, me foi oferecida a autoridade de outro homem distinto, um religioso da Sociedade de Jesus, chamado padre Blas Valera, que escreveu a história daquele império em latim muito elegante, e ele poderia escrevê-lo em várias línguas, porque ele tinha o dom delas; mas, devido ao infortúnio daquela minha terra, que não merecia que sua república fosse escrita dessa maneira, seus papéis estavam perdidos nas ruínas e saques de Cadiz, que os ingleses fizeram no ano de mil quinhentos e noventa e seis, e ele morreu logo depois. Soube do saque de suas relíquias e que de seus papéis permaneceram, com maior dor e piedade daqueles que foram perdidos, dos que foram retirados e do que foram encontrados. Eles ficaram tão destroçados ​​que o melhor está faltando: o padre M. Maldonado de Saavedra, natural de Sevilha, da mesma religião, me fez misericórdia, que neste ano de mil e seiscentos leu as Escrituras nesta cidade de Córdoba. O padre Valera, na denominação de Peru, diz em seu latim galante o seguinte, que eu, como índio, traduzo para o meu romance grosseiro. O reino do Peru, ilustre, famoso e muito grande, onde há muito ouro e prata e outros metais ricos, de cuja abundância nasceu o ditado que diz que um homem é rico, dizem que é dono do Peru. Esse nome foi mais uma vez imposto pelos espanhóis àquele Império dos Incas, nome dado ao acaso e não adequado, e, portanto, dos índios desconhecidos, não por serem os bárbaros tão esquecidos, que nenhum deles lembre de usá-lo, apenas os espanhóis o usam. Sua nova imposição não significa riqueza ou qualquer outra coisa grande: e como a imposição da palavra era nova, o mesmo era o significado da riqueza; porque procediam da felicidade dos eventos. Este nome Pelú entre os índios bárbaros que vivem entre Panamá e Huayaquil é um nome apelativo que significa rio. É também o nome próprio de uma certa ilha chamada Pelua, ou Petu. Pois, como os primeiros conquistadores espanhóis, navegando do Panamá, chegaram a esses lugares primeiro que a outros, eles gostaram tanto o nome Peru, ou Pelua, que, como se isso significasse algo grande e apontou, o abraçaram para nomear com ele qualquer outra coisa que encontrassem, como o fizeram ao chamar Peru a todo o Império dos Incas. Muitas pessoas não gostaram do nome Peru e, portanto, a chamaram de Nova Castilla. Esses dois nomes foram impostos a esse grande reino e são comumente usados ​​por escribas reais e notários eclesiásticos; embora na Europa e em outros reinos tenham colocado o nome Peru antes do outro. Muitos também afirmam que foi deduzido do nome Pirva, que é uma palavra do Cozco de los Quechuas, significa cesta, na qual os frutos são colocados. A sentença destes eu aprovo de bom grado, porque naquele rei os índios não têm um grande número de cestas para guardar suas colheitas; por esse motivo, foi fácil para os espanhóis usarem esse nome alheio e dizerem Pirú, tirando a Ultima vogal, e passando o acento para a última sílaba. Este nome, duas vezes apelativo, foi dado pelos primeiros conquistadores como sendo o nome próprio dado ao Império que conquistaram; e eu vou usá-lo sem nenhuma diferença dizendo Peru ou Pirú. A introdução desta nova palavra não deve ser repudiada por dizer que foi usurpada falsamente e sem acordo; que os espanhóis não encontraram outro nome genérico e apropriado para impor a toda a região, porque antes do reinado dos incas, cada província tinha seu próprio nome, como Charca, Colla, Cozco, Rimac, Quitu e muitas outras, sem atenção ou respeito às outras regiões: mas depois que os incas subjugaram todo aquele Reino ao seu Império, eles o chamaram de acordo com a ordem das conquistas, ao serem subjugados e se renderem os vassalos, e ao cabo foi chamado Tahuantin suyu, ou seja, as quatro partes do Reino, ou Incap Runam, que significa vassalos do Inca. Os espanhóis, notando a variedade e confusão desses nomes, chamavam-no prudente e discretamente de Peru, ou de Nova Castilla, etc. Até aqui o texto é do Pe. Blas Valera, que também, como Pe. Acosta, afirma ter sido um nome imposto pelos espanhóis e que os índios não o tinham em seu idioma. Declarando o que o padre Blas Valera disse, digo que é mais provável que a imposição do nome Peru tenha nascido do nome próprio Berú ou do apelido Pelú, que na língua dessa província significa rio, e não o nome Pirua, que significa cesto, porque, como já foi dito foram imposto pelos homens de Vasco Nuñez de Balboa, que não entraram no interior para saber do nome Pirua, e não os conquistadores do Peru, porque quinze anos antes de conquistar, os espanhóis que viviam no Panamá chamavam toda aquela terra que ia do equinocial ao meio-dia; que também é certificado por Francisco Lopez de Gomara na história das Índias, capítulo cento e dez, onde ele diz as seguintes palavras: Alguns dizem que Balboa relatou que naquela terra do Peru havia ouro e esmeraldas, seja assim ou não, o certo é que no Panamá havia uma grande fama do Peru, quando Pizarro e Almagro armavam para ir para lá, etc. Até aqui é de Gomara, onde fica claro que a imposição do nome Peru foi muito antes da partida dos conquistadores que ganharam aquele império.