História da Província de Santa Cruz/XIII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
História da Província de Santa Cruz por Pero de Magalhães Gândavo
Capítulo XIII: Do fruito que fazem nestas partes os padres da companhia com sua doctrina


Por todas as Capitanias desta Provincia estão edificados Mosteiros dos Padres da Companhia de Jesus e feitas em algumas partes algumas Egrejas entre os Indios que sam de paz onde residem alguns Padres pera os doctrinar e fazer Christãos: o que todos aceitam facilmente sem contradiçam alguma porque como elles nam tenham nehuma Lei nem cousa entre si que adorem, he-lhes muito facil tomar esta nossa. E assim tambem com a mesma facilidade, por qualquer cousa leve a tornam a deixar, e muitos fogem pera o sertão, depois de baptizados e instruidos na doctrina christã; e porque os Padres vêm a inconstancia que ha nelles, e a pouca capacidade que têm pera observarem os mandamentos da Lei de Deos, principalmente os mais antigos, que sam aquelles em que menos fruitifica a semente de sua doctrina, procuram em especial planta-la em seus filhos, os quaes levam de meninos instruidos nella. E desta maneira se tem esperança, mediante a divina graça, que pelo tempo adiante se vá edificando a Religião Christã por toda esta Provincia, e que ainda nella floreça universalmente a nossa Santa Fé Catholica, e mo noutra qualquer parte da Christandade.

E pera que o fruito desta doctrina se nam perdesse antes de cada vez fosse em mais crescimento, determinaram os mesmos Padres de atalhar todas as occasiões que lhe podiam da nossa parte ser impedimento e causa de escandalo, e perjuizo ás consciencias dos moradores da terra. Porque como estes Indios cobiçam muito algumas cousas que vam deste Reino, convem a saber, camisas, pelotes, ferramentas, e outras peças semelhantes vendiam-se a troco dellas huns aos outros aos Portuguezes: os quaes a voltas disto salteavam quantos queriam, e faziam-lhes muitos agravos, sem ninguem lhes ir á mão. Mas já agora nam ha esta desordem na terra, nem resgastes como soia. Porque depois que os Padres viram a sem razam que com elles se usava, e o pouco serviço de Deos que daqui se seguia, proveram neste negócio e vedaram, como digo, muitos saltos que faziam os mesmos Portuguezes por esta costa, os quaes encarregavam muito suas consciencias com cativarem muitos Indios contra direito, e moverem-lhes guerras injustas. E pera evitarem tudo isto, ordenaram o Padres, e fizeram com os Governadores e Capitães da terra que nam houvesse mais resgates daquella maneira, nem consentissem que fosse nenhun Portuguez a suas aldêas sem licença do seu mesmo Capitam. E se algum faz o contrario, ou os agrava per qualquer via que seja ainda que vá com licença pelo mesmo caso he mui bem castigado conforme a sua culpa.

Alem disto pera que nesta parte haja mais dezengano, quantos escravos agora vêm novamente do sertão ou de humas Capitanias pera outras, todos levam primeiro a alfandega e ali os examinam, e lhes fazem perguntas, quem os vendeu, ou como foram resgatados, porque ninguem os pode vender senam seus pais, se for ainda com extrema necessidade ou aquelles que em justa guerra os cativam: e os que acham mal acquiridos põem-nos em sua liberdade. E desta maneira quantos Indios se compram sam bem resgatados, e os moradores da terra nam deixam por isso de ir muito avante com suas fazendas.

Outros muitos beneficios e obras pias têm feito estes Padres e fazem hoje em dia nestas partes, a que com verdade se nam pode negar muito louvor. E porque ellas sam taes que por si se apregoam pela terra, nam me quiz entremeter a trata-las aqui mais por extenso: basta sabermos quam aprovadas sam em toda parte suas obras por santas e bôas, e que sua tençam nam he outra senam dedica-las a nosso Senhor, de quem somente esperam a gratificaçam e premio de suas virtudes.