Iracema/X

Wikisource, a biblioteca livre
< Iracema

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
X

Na cabana silenciosa medita o velho Pagé.

Iracema está apoiada no tronco rudo, que serve de esteio. Os grandes olhos negros, fitos nos recortes da floresta e rasos de pranto, parece estão naquelles olhares longos e tremulos enfiando e desfiando os aljofares das lagrimas, que rorejão as faces.

A ará, pousada no giráo fronteiro, alonga para sua formosa senhora os verdes tristes olhos. Desde que o guerreiro branco pisou a terra dos Tabajaras, Iracema a esqueceu.

Os roseos labios da virgem não se abrirão mais para que ella colhesse entre elles a polpa da fructa ou a papa do milho verde; nem a doce mão a affagara uma só vez, alisando a dourada penugem da cabeça.

Si repetia o mavioso nome da senhora, o sorriso de Iracema já não se voltava para ella, nem o ouvido parecia escutar a voz da companheira e amiga, que d'antes tão suave era ao seu coração.

Triste della! A gente tupy a chamava jandaia, porque sempre alegre estrugia os campos com seu canto fremente. Mas agora, triste e muda, desdenhada de sua senhora, não parecia mais a linda jandaia, e sim o feio urutáo que somente sabe gemer.

O sol remontou a umbria das serras; seus raios douravão apenas o viso das eminencias.

A surdina merencoria da tarde, precede o silencio da noite, começava de velar os crebros rumores do campo. Uma ave nocturna, talvez illudida com a sombra mais expessa do bosque, desatou o estridulo.

O velho ergueu a fronte calva:

— Foi o canto da inhuma que accordou o ouvido de Araken? disse ele admirado.

A virgem estremecera, e já fóra da cabana, voltou-se, para responder á pergunta do Pagé:

— E' o grito de guerra do guerreiro Cauby!

Quando o segundo pio da inhuma resoou, Iracema corria na mata como a corsa perseguida pelo caçador. Só respirou chegando á campina, que recortava o bosque, como um grande lago.

Quem seus olhos primeiro virão, Martim, estava tranquillamente sentado em uma sapopema, olhando o que passava ali. Contra, cem guerreiros tabajaras com Irapuam á frente, formavão arco. O bravo Cauby os affrontava á todos, com o olhar cheio de ira e as armas valentes empunhadas na mão robusta:

O chefe exigira a entrega do estrangeiro, e o guia respondera simplesmente:

— Matai Cauby, antes.

A filha do Pagé passara como uma flecha: ei-la diante de Martim, oppondo tambem seu corpo gentil aos golpes dos guerreiros. Irapuam soltou o bramido da onça atacada na furna.

— Filha do Pagé, disse Cauby em voz baixa. Conduz o estrangeiro á cabana: só Araken pode salva-lo.

Iracema voltou-se para o guerreiro branco:

— Vem!

Elle ficou immovel.

— Si tu não vens, disse a virgem; Iracema morrerá comtigo.

Martim ergueu-se; mas longe de seguir a virgem, caminhou direito á Irapuam. Sua espada flamejou no ar.

— Os guerreiros de meu sangue, chefe, jamais recusárão combate. Si aquelle que tu vês não foi o primeiro a provoca-lo, é porque seus pais lhe ensinarão a não derramar sangue na terra hospedeira.

O chefe tabajara rugiu de alegría; sua mão possante brandio o tacape. Mas os dois campeões mal tiverão tempo de medir-se com os olhos; quando fendião o primeiro golpe, já Cauby e Iracema estavam entre elles.

A filha de Araken debalde rogava ao christão, debalde o cingia em seus braços buscando arranca-lo ao combate. De seu lado Cauby em vão provocava Irapuam para attrahir a si a raiva do chefe.

A um gesto de Irapuam, os guerreiros affastarão os dois irmãos; o combate prosseguio.

De repente o rouco som da inubia reboou pela mata; os filhos da serra estremecerão reconhecendo o estridulo do buzio guerreiro dos Pytiguaras, senhores das praias, encombradas de coqueiros. O echo vinha da grande taba, que o ennemigo talvez assaltava já.

Os guerreiros precipitarão, levando por deante o chefe. Com o estrangeiro só ficou a filha de Araken.

Notas[editar]

Pag. 40.—I.Jandaia.—Este nome que anda escrito por diversas maneiras nhendaia, nhandaia e em todas alterado é apenas um adjectivo qualificativo do substantivo ará. Deriva-se elle das palavras nheng —falar—antan, duro, forte, aspero, e ara desinencia verbal que exprime o agente: nh´ ant´ ara; substituido o t por d—e o r por i, tornou-se nhandaia, donde jandaia, que se traduzirá por periquito grasnador.

Do canto desta ave, como se vio, é que vem o nome de Ceará, segundo a ethmologia que lhe dá a tradição.

II. Inhuma.—Ave nocturna palamedea. A especie de que se falla aqui é a palamedea chavaria, que canta regularmente a meia-noite. A orthographia melhor creio ser anhuma, talvez de anho, só, e anum, ave agoureira condecida. Significaria então anum solitário, assim chamado pela tal ou qual semelhança do grito desagradavel.



Pag. 42.—Inubia.—Trombeta de guerra. Os indigenas, segundo Lery, as tinhão tão grandes que medião um deametro na abertura.