Lágrimas da Vida

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lágrimas da vida
por Álvares de Azevedo
Poema agrupado posteriormente e publicado em Lira dos Vinte Anos.


On pouvait à vingt ans le clouer dans la bière

— Cadavre sans illusions...
THÉOPH. GAUTIER
 
Je me suis assis en blasphémant sur le bord
du chemin. Et je me suis dit: — je n'irai pas plus
loin. Mais je suis bien jeune encore pour mourir,
n'est-ce pas, Jane?

GEORGE SAND, Aldo

 
Se tu souberas que lembrança amarga
Que pensamento desflorou meus dias,
Oh! tu não creras meu sorrir leviano,
Nem minhas insensatas alegrias!
 
Quando junto de ti eu sinto, às vezes,
Em doce enleio desvairar-me o siso,

Nos meus olhos incertos sinto lágrimas...
Mas da lágrima em troco eu temo um riso!
 
O meu peito era um templo — ergui nas aras
Tua imagem que a sombra perfumava...
Mas ah! emurcheceste as minhas flores!
Apagaste a ilusão que o aviventava!
 
E por te amar, por teu desdém, perdi-me...
Tresnoitei-me nas orgias macilento,
Brindei blasfemo ao vício e da minh'alma
Tentei me suicidar no esquecimento!
 
Como um corcel abate-se na sombra,
A minha crença agoniza e desespera...
O peito e lira se estalaram juntos...
E morro sem ter tido primavera!
 
Como o perfume de uma flor aberta
Da manhã entre as nuvens se mistura,
A minh'alma podia em teus amores
Como um anjo de Deus sonhar ventura!
 
Não peço o teu amor... eu quero apenas
A flor que beijas para a ter no seio...

E teus cabelos respirar medroso...
E a teus joelhos suspirar d'enleio!
 
E quando eu durmo... e o coração ainda
Procura na ilusão tua lembrança,
Anjo da vida passa nos meus sonhos
E meus lábios orvalha d'esperança!