Lobo cerval, fantasma pecadora

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

 
Lobo cerval, fantasma pecadora,
alimária cristã, salvage humana,
Que eras com vara pescador de cana,
Quando devias ser burro de nora.

Leve-te Berzabu, vai-te em má hora,
Levanta já daqui fato, e cabana,
E não pares senão na Trapobana,
Ou no centro da Líbia abrasadora.

Parta-te um rato, queime-te um corisco
Na cama estejas tu, sejas na rua,
Sepultura te dêem montes de cisco.

E toda aquela cousa, que for tua
Corra sempre contigo o mesmo risco,
Ó salvage cristã, ó besta crua.