Marmores (1895)/A um artista

Wikisource, a biblioteca livre
< Marmores (1895)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
II
A um artista

A meu irmão, Julio Cesar da Silva

Mergulha o teu olhar de fino colorista
No azul; medita um pouco, e escreve; um nada quasi:
Um trecho só de prosa, uma estrophe, uma phrase
Que patenteie a mão de um requintado artista.

Escreve! Molha a penna, o leve estylo enrista!
Pinta um canto de céo, uma nuvem de gaze
Solta, brilhante ao sol; e que a alma se te vase
Na copia dessa luz que nos deslumbra a vista.

Escreve!... Um céo ostenta o matiz da celagem
Onde erra o sol, moroso, entre vapores brancos,
Irisando, ao de leve, o verde da paizagem...

Uma ave banha ao sol o esplendido plumacho...
Num recanto de bosque, a lamber os barrancos,
Espumeja em cachões uma cachoeira em baixo...