Marmores (1895)/Lieder de Gœthe/Calme de la mer

Wikisource, a biblioteca livre
< Marmores (1895)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Calme de la mer
por Goethe, traduzido por Francisca Júlia
Poema publicado em Marmores (1895).
LIEDER DE GŒTHE
Calme de la mer
I

Tranquillo, o mar não canta nem ondeia;
O nauta, immerso n’outro mar de maguas,
Os olhos tristes e humidos passeia
Pela tranquilla quietação das aguas.

A onda que dorme quieta, não espuma;
O austro que sonha placido, não canta;
E em todo o vasto mar, em parte alguma,
A mais pequena se levanta.