Meteorito de Bendegó: relatorio (1888)/05

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Meteorito de Bendegó: relatorio por José Carlos de Carvalho Júnior
Transporte do meteorito de Bendegó
Imprensa Nacional (1888). páginas 37-43
IV


Transporte do meteorito de Bendegó


O transporte do meteorito Bendegó desde o logar onde foi encontrado pela commissão até á estação do Jacuricy, no prolongamento da estrada de ferro da Bahia ao S. Francisco, não podia deixar de ser um trabalho fatigante, demorado e difficil.

A planta geral e o perfil longitudinal do caminho transitado pelo meteorito, que pesa 5.360 kilogrammas [1], são elementos sufficientes para ter-se uma idéa justa da importancia do commetimento confiado á commissão que tive a fortuna de dirigir.

Arrancar o meteorito do leito do riacho Bendegó onde se achava enterrado desde 1785, transportal-o para logar onde pudesse ser embarcado no carretão, galgar as barrancas empedradas da margem esquerda para alcançar as planuras superiores do valle, exigiu da commissão interesse decidido e uma porção immensa de paciencia e cuidados, para de simples tabaréos [2] que nunca sahiram de dentro dos catingaes do sertão, fazer-se ao menos soffriveis auxiliares para a execução de um trabalho que carecia do emprego de ferramentas que lhes eram inteiramente desconhecidas.

No entretanto tudo foi feito sem que se tivesse de registrar um unico accidente desagradavel.

Por meio de macacos e bimbarras feitas de trilhos conseguiu-se desalojar o meteorito de dentro do riacho Bendegó, no logar denominado Ipoeira de João Venancio [3], onde foi abandonado pelo capitão-mór de Itapicurú Bernardo Carvalho da Cunha, e collocal-o sobre uma pilha de dormentes na altura de 1m,50.

Conhecidas com exactidão as dimensões, fórma e peso approximado do meteorito, tratou-se de projectar um carretão que, além da necessaria solidez para supportar tão grande carga durante um trajecto longo e difficil, tambem fosse constituido de peças accessorias tão simples, que qualquer avaria pudesse ser reparada no campo.

O systema de tracção a empregar-se foi objecto de demorado estudo, pois tornava-se dependente da natureza variada do terreno a percorrer, sujeito ainda a cuidadosas explorações.

Uma travessia de 113k,422.80, que apresentava subidas extensas com rampas de 18 a 20 %; descidas de 30 % na serra do Acarú; passagens de rios, que, si alguns permittiam o transito por sobre seu proprio leito, evitando-se obras custosas e demoradas e transposição menos difficil em logar mais accessivel da margem opposta, outros oppunham barrancas altas e escarpadas, que só por meio de pontes improvisadas com os escassos recursos da localidade se conseguiria atravessal-o ; uma travessia forçada por entre grandes lagòas, extensos areaes, escabrosos lageados e terrenos encharcados, desafiava os recursos de que podia dispòr a commissão para vencer obstaculos de tamanha monta e em tão crescido numero espalhados por toda a parte.

Felizmente o problema, que parecia um tanto affrontoso, foi resolvido satisfactoriamente.

O carretão feito de ferro batido e montado sobre dous pares de rodas de flange e dous de rodas de madeira de 0,20m de espessura, trabalhando cada dous pares differentes em um mesmo eixo, deu resultado completo ; pois conseguiu-se que o carretão pudesse rodar sobre trilhos, e directamente sobre o terreno, quando este se apresentava em condições favoraveis.

As rodas de madeira com um diametro igual ao das rodas de flange, mais a altura do trilho, mais meia altura da longarina offereceram condições tão boas, que, quando o carretão trabalhava sobre os trilhos, as rodas de madeira ficavam muito pouco levantadas do terreno facilitando a tracção ; quando, porém, tinha-se de descer rampas, ainda que muito fracas, estas rodas, apertando o terreno, que muito de proposito se deixava de mais ao lado das longarinas, serviam de poderosos breques ; e quando o carretão, por qualquer circumstancia, descarrilhava, ainda as rodas de madeira impediam que as rodas de flange se enterrassem no terreno, tornando difficiltosa e demorada a suspensão do carretão e o restabelecimento do trafego.

A combinação de rodas de diametros differentes trouxe ainda a grande vantagem de tornar simples e ligeira a manobra da retirada do carretão de cima dos trilhos para rodar directamente sobre o terreno, quando este era bastante duro ; e a passagem para cima dos trilhos, quando o terreno se apresentava frouxo, alagado ou pedregoso de mais.

A manobra consistia apenas em mergulhar a ponta dos trilhos de modo que antes de chegar o carretão ao extremo da linha, já as rodas de madeira começassem a funccionar, no caso de ser preciso retirar o carretão de cima dos trilhos ; no caso contrario, era sómente necessario cavar o terreno por baixo das rodas de flange, tanto quanto permittisse o assentamento da ponta dos trilhos, de sorte que o carretão, logo que fosse empurrado para a frente, deixaria ficar suspenas as rodas de madeira.

Com effeito, graças a tão original combinação, muitas das difficuldades encontradas nessa penosa travessia, desde o Bendegó até o Jacuricy, foram vencidas com alguma segurança e mais ou menos promptidão.

Em alguns casos, porém, foi ainda preciso pôr em pratica a arte do marinheiro, para tirar auxilio seguro e proveitoso do emprego das estralheiras, talhas dobradas e singelas, patescas, estrópos e de todas essas engenhosas disposições de cabos e roldanas, de que o homem do mar, mais do que nenhum outro, sabe se servir quando tem necessidade de mover pesos consideraveis, garantindo a segurança da manobra, ao mesmo tempo que consegue tirar grandes resultados com a utilisação de esforços relativamente pequenos.

O carretão [4] foi construido nas officinas do Aramarys, no prolongamento da Estrada de Ferro da Bahia ao S. Francisco, dirigidas pelo engenheiro Caetano Furquim de Almeida, de accôrdo com os planos e indicações por mim apresentados, sendo experimentado com a carga de 9.000 kilogrammas.

A transposição da serra do Acarú, obrigada a subida de rampas de 18 a 20%, e a descida por desfiladeiros perigosos, flanqueados por grotas profundas e tortuosas, exigiram cuidados extraordinarios.

Si ás vezes encontrou-se facilidade em passar os apparelhos nas arvores, conservadas de proposito no caminho que se abriu, outras vezes foi preciso atracar á distancia arvores umas ás outras para garantir o ponto de apoio das estralheiras e cabos de regeira, afim de arriar-se o carretão com segurança e guial-o na direcção conveniente a seguir, ára não precipitar-se pelas encostas escarpadas do caminho.


COMMISSÃO ENCARREGADA DO TRANSPORTE DO METEORITO DE BENDEGÓ PARA O MUSEU NACIONAL

Alagoinhas, 30 de Setembro de 1887.

Illm. Sr. — Havendo necessidade de construir-se um carretão apropriado para a conducção do meteorito denominado — Bendegó —, do logar onde actualmente se acha até a linha deste prolongamento, venho solicitar de V. S. se digne de ordenar para que nas officinas do Aramarys seja construido o mesmo carretão, segundo as indicações que tive a honra de sujeitar á approvação de V. S., a quem por muitos titulos me desvaneço de render a mais completa admiração.

Tornando-se ainda preciso mais algumas ferramenta e diversos sobresalentes, além dos que já me foram fornecidos pelos almoxarifados deste prolongamento, peço igualmente a V. S. que me sejam elles proporcionados e remetidos para a estação de Queimadas.

E, convencido, como estou, de que para o resultado satisfactorio, que conto terá á commissão a meu cargo, muito já tem concorrido e ainda concorrerá a administração do prolongamento da Estrada de Ferro da Bahia ao S. Francisco, tenho a satisfacção de anticipar a V. S. os agradecimentos da Sociedade Geographica do Rio de Janeiro, que aqui represento, e os protestos do meu reconhecimento.

Deus Guarde a V. S. — Illm. Sr. Dr. Luiz da Rocha Dias, Director e Engenheiro Chefe do Prolongamento da Estrada de Ferro da Bahia ao S. Francisco. — José Carlos de Carvalho.

N. 86.— Prolongamento da Estrada de Ferro da Bahia.— Directoria.— Alagoinhas, 13 de Outubro de 1887.

Illm. Sr. Em resposta ao officio de V. S. de 30 do mez proximo findo, tenho a satisfação de communicar-lhe que foram dadas as providencias necessarias, não só para ser construido nas officinas desta estrada um carretão apropriado para a conducção do meteorito do Bendegó, de accordo com o desenho e indicações por V. S. apresentados, como tambem para serem remettidos para a estação de Queimadas os diversos objectos por V. S. pedidos.

Agradecendo a V. S. as benevolas expressões do seu officio, devo assegurar que me encontrará sempre disposto a auxilial-o quanto possa na sua commissão, e assim póde V. S. contar que as suas requisições serão sempre bem recebidas e logo satisfeitas.

Deus Guarde a V. S.— Illm. Sr. Commendador José Carlos de Carvalho, Dignissimo Chefe da Commissão do Bendegó.— O Director engenheiro em chefe, Luiz da Rocha Dias.

Ainda assim, uma vez quasi ao chegar-se ao sobpé da serra do Acarú, uma arvore cedeu ao peso do meteorito, os apparelhos arrebentaram-se e o carretão precipitou-se por uma rampa de 30 % (kilometro 22, estaca 26), indo, felizmente, parar a meia ladeira, por ter o meteorito corrido para frente do carretão e o obrigado a dar um verdadeiro salto mortal indo cahir alguns metros adiante.

Si não fosse esta circunstancia, talvez ainda hoje estivessemos tratando de guindar o meteorito para tiral-o das profundezas escuras de uma grota medonha.

Felizmente só depois de transposta a Serra do Acarú é que as chuvas de trovoadas começaram a cahir fortes e constantes. A marcha tornou-se mais pesada, morosa e amofinante, devido ás condições do terreno, que, em alguns logares alagado, difficultava o assentamento da linha, e em outros, escorregadiço e frouxo, tornava perigosa a manobra da mudança dos trilhos e custoso o travamento do carretão.

Neste periodo aborrecido da campanha, o meteorito mais de uma vez, si de todo não sahia de cima do carretão, escorregava ora para frente, ora para trás, por estarem encharcados das aguas das chuvas os calços de madeira que o cunhavam sobre o estrado.

Por quatro vezes a marcha foi interrompida para fazer-se a substituição dos eixos do carretão, que se partiram.

Na travessia do Riacho das Tocas, o córte aberto nas margens que se levantavam em fórma de caixão, embebido de grande porção de agua de uma chuva torrencial, que cahiu inesperadamente, deu causa a que a linha de trilhos abatesse e o carretão, descarrilhando em logar tão crítico, virasse, atirando o meteorito dentro do riacho.

Trabalhou-se durante todo o resto do dia e durante a noite á luz de fogueiras, e no amanhecer do dia seguinte prossegua a marcha, como si nada tivesse occorrido na vespera.

A passagem do rio Monteiro, e do grande rio Jacuricy, da lagòa do Mary, sobre os lageados do Caldeirãozinho foram campanhas serias, em que emprenhou-se muita dedicação e decidia vontade de concluir satisfactoriamente a incumbencia que me foi confiada.

Na construcção de estivados nas lagòas; na armação de passagens provisorias sobre riachos desde seis metros de largura até sobre o rio Jacuricy de 50 metros de vão ; no levantamento de aterros sobre baixadas alagadas, e no córte de caminhos por encostas de morros pedregosos, póde a commissão orgulhar-se de ter conseguido registrar um dos serviços mais notaveis na historia dos transportes effectuados no Brazil.


Quadro explicativo das interrupções havidas durante o transporte do meteorito


POSIÇÃO
LOGARES Estaca Kilometro MOTIVO DA INTERRUPÇÃO DEMORA
DA MARCHA
OBSERVAÇÕES
Riacho das Tocas. 13 17 Queda do meteorito de cima do carretão............... 22 horas.. Chuva torrencial de trovoada.
Serra do Acarù.... 27 22 Idem........................ 35 » Os apparelhos que seguravam o carretão arrebentaram-se.
Volta da Pedra.... 34 24 Idem........................ 10 » Chuvas fórtes.
Encruzilhada...... 47 25 Idem........................ 20 » Idem.
Lagôa do Coité... 19 29 Eixo do carretão partido..... 27 dias..... Os travalhos foram suspensos por falta de recursos.
Genipapo.......... 13 60 Queda do meteorito de cima do carretão............... 12 horas... Chuvas fortes de trovoadas.
Lagôa Nova....... 4 65 Eixo do carretão partido..... 5 dias.
Idem.............. 24 65 Idem.................. 3 »
Lagòa da Giboia... 6 88 Queda do meteorito de cima do carretão................. 20 horas.. Chuvas fortes.
Lagòa dos Bois.... 9 99 Idem......................... 18 »
Tanques........... 12 103 Eixo do carretão partido..... 6 »


Quadro das altitudes e distancia de diversos pontos do trajecto do meteorito, referidas á estação do Jacuricy no prolongamento da estrada de ferro da Bahia ao S. Francisco e ao porto da Bahia.

DESIGNAÇÃO DISTANCIAS
EM KILOMETROS
ALTITUDE EM
METROS
Ao porto da Bahia Á estação do Jacuricy
k k m
Logar donde foi retirado o meteorito em 1784............... 481.343.10 113.603.80 443.051
k k m
Riacho Bendegó, no logar onde foi encontrado o meteorito pela commissão em 1887.................................... 481.162.80 113.422.80 430.683
k k m
Garganta do Acarú.................................... 461.762.80 94.022.80 696.274
k k m
Riacho do Caldeirãozinho na serra do Acarú.......... 461.222.80 93.482.80 627.892
k k m
Olho d’Agua Secco na fralda oriental da serra de Monte Santo.................................... 440.162.80 72.422.80 469.006
k k m
Rio Jacuricy, no logar da passagem............... 374.522.80 6.782.80 298.860
k k m
Estação do Jacuricy no prolongamento da estrada de ferro da Bahia ao S. Francisco, logar onde foi embarcado o meteorito.................................... 367.740 0 322.301
k k m
Estação de Alagoinhas onde foi feita a baldeação do meteorito para a estrada de ferro Bahia ao S. Francisco.............. 122.421 243.316 137.500


Coordenadas geographicas de alguns logares do trajecto do meteorito de Bendegó


LOCALIDADES Latitude Sul Longitude a Este do Rio de Janeiro Variação da agulha
BENDEGÓ
Logar onde foi encontrado o meteorito em 1784........ 10°7’-29’’,7 4°-0’-1’’,2 11°-30’ NO
MONTE SANTO
Villa do Sertão da Bahia, situada na fralda oriental da Serra de Monte Santo................... 10°-25’-50’’,8 3°-33’-30’’ 11°-45’ NO
ALAGOINHAS[5]
Cidade da Bahia onde começa o prolongamento da E. F. da Bahia ao S. Francisco...................... 12°-7’-43’’ 4°-49’50’’,85 11°-57’ NO
PORTO DA BAHIA[6]
Pharol de Santo Antonio.................... 13°-0’-37’’,38 4°-38’-15’’,60 9°-15’ NO
  1. Cópia :
    Estrada de ferro da Bahia ao S. Francisco (Companhia Limitada).
    Por me ser requisitado pelo IllM Sr. Chefe da commissão do transporte do meteorito Bendegó, Commendador José Carlos de Carvalho, certifico que, pesando com toda a exactidão aqui nesta estação da Calçada, aos vinte e seis dias do mez corrente, o mencionado meteorito, verifiquei ter o peso de CINCO MIL TREZENTOS E SESSENTA KILOGRAMMAS (5.360).
    E por ser verdade, eu Richard Triplady, superintendente da Estrada de Ferro da Bahia ao S. Francisco ( Companhia Limitada ), passei a presente, por mim feita e assignada aos vinte e nove dias do mez de Maio de mil oitocentos e oitenta e oito.
    Bahia, 29 de Maio de 1888.— Richard Triplady, Superintendente.
  2. Homens do sertão.
  3. Da-se o nome de Ipoeira aos poços que as formam no leito dos rios e onde as aguas se conservão durante a temporada da secca ainda mesmo depois das vasantes.
  4. O carretão, que é todo de ferro batido, pesa 1.194 kilogrammas, assim distribuidos:
    Estrado. 600 kilogrammas.
    4 maneaes. 84
    2 eixos. 100
    4 rodas de ferro. 220
    4 » de madeira. 140
    6 olhaes de ferro. 30
    Accessorios 20
      1.191
  5. Nesta cidade o meteorito foi baldeado do prolongamento da estrada de ferro da Bahia para a estrada de ferro da companhia ingleza.
  6. O meteorito foi embarcado no vapor nacional Arlindo, que o trouxe para o Rio de Janeiro.