Meu Senhor Sete Carreiras

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao mesmo capitão sevandija do parnaso.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsEspada e Espadilha

Meu Senhor Sete Carreiras
você não é bom Poeta,
quando o juízo inquieta
em fazer tantas asneiras:
oxalá que em caganeiras
lhe dera a sua poesia,
porque então a não faria,
ou a fazê-la de noite
eu lhe dera tanto açoite,
que lhe apurara a Talia.