Meus amigos, pese-vos do meu mal

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Meus amigos, pese-vos do meu mal
por Vasco Rodrigues de Calvelo


Meus amigos, pese-vos do meu mal
e da gram coita que me faz haver
ũa dona que me tem em poder
e por que moir'; e pois m'ela nom val,
       morrerei eu, meus amigos, por en,
       ca já perdi o dormir e o sem
  
polo seu bem! E Deus nom mi o quer dar,
senom gram coit'em que sempre vivi,
des que vi ela, que por meu mal vi;
e pois eu tanto viv'a meu pesar,
       morrerei eu, meus amigos, por en,
       ca já perdi o dormir e o sem
  
polo seu bem, que desej'e nom hei
senom gram coita que m'ela deu já.
E se mais vivo, mais mal me fará;
e pois eu tanto mia fazenda sei,
       morrerei eu, meus amigos, por en,
       ca já perdi o dormir e o sem.
  
E coitad'eu, que muito mal me vem
porque quer'a mui bõa senhor bem!