Ninguém, na vasta selva religiosa

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
Ninguém, na vasta selva religiosa
por Ricardo Reis
10-12-1931



Ninguém, na vasta selva religiosa
Do mundo inumerável, finalmente
      Vê o deus que conhece.
Só o que a brisa traz se ouve na brisa
O que pensamos, seja amor ou deuses,
      Passa, porque passamos.