Nos últimos instantes da partida

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Acompanhou estas tão saudosas quatro décimas este soneto.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsMaria

Nos últimos instantes da partida,
Em que o rigor o golpe executava,
Vi, quando alentos no sentir achava
A morte dilatada, ou repetida.

Obrou a execução na despedida,
Que ali de vossos olhos me ausentava,
E como a vida neles me ficava,
Não pude então viver deixando a vida.

Foi de ausentar-me a morte conseqüência,
Pois estando sem vós, sem vida estive;
Mas direis, que o morrer de alentos priva.

Porém como nas mãos de uma violência,
Quem ausente padece, morre, e vive,
Foi a vida defunta, a morte viva.