O grande sol na eira

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O grande sol na eira
por Fernando Pessoa


O grande sol na eira
Talvez seja o remédio
Não quero quem me queira
Amarem-me faz tédio.

Baste-me o beijo intacto
Que a luz dá a luzir
E o amor alheio e abstracto
De campos a florir.

O resto é gente e alma:
Complica, fala, vê.
Tira-me o sonho e a alma
E nunca é o que é.