Página:A Guerra de Canudos.djvu/136

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
118
A Guerra de Canudos

vencido o famoso centro do fanatismo e abraçariamos os nossos valorosos camaradas, depois da victoria, tida como certa, não sem dura peleja; assim, dominados pela grande força moral, adquirida desde Cócoróbó, a vontade geral era a que, rompendo o dia, continuassemos a marcha sobre Bello-Monte, em cujas cercanias se estava operando, pouco faltando para ser effectuada a juncção das columnas.

O general Savaget, se bem que em estado melindroso, mantinha-se a cavallo, providenciando sobre multiplos assumptos; ao clarear do dia 28, ordenou a avançada da sua divisão com a attenção voltada sobre os movimentos prestes a serem effectuados, na eminencia do ataque ao reducto inimigo. A'quella hora, sob a frescura de agradaval manhã, a 4.ª brigada moveu-se na vanguarda e proseguiu no tiroteio, desalojando os fanaticos dos mesmos pontos da vespera.

Tres canhões avançaram e tomando posição, com methodo e pontarias cuidadosas, iniciaram o bombardeio do arraial, de 900 a 1200 metros de distancia. A'quelles canhões dirigiam os 2.os tenentes Manoel Felix de Menezes, Fructuoso Mendes e o alferes de infantaria Henrique Duque-Estrada de Macedo Soares. Os projectis cahiam visivelmente, estourando no agrupamento das casas em desordem e nas igrejas, que