Página:A Guerra de Canudos.djvu/448

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
380
A Guerra de Canudos

D'aquelles montes de corpos humanos se exhalava forte cheiro de decomposição: ainda ouviam-se gemidos dos ultimos a morrer. E, formando horrivel amalgama, centenas de outros corpos jaziam esmagados, com as visceras á mostra, entre ruinas de casas quasi pulverisadas.

Esses nauseantes despojos infeccionavam o ambiente com intoleraveis miasmas, afugentando quem delles se approximava.

Do sólo, onde tamanha destruição se dera, exhalava fórte calor, restos de incendio que durante cinco dias e cinco noites abrasara o reducto. E, sendo revolvidos aquelles restos asquerosos, viam-se a cinza, ainda ardente, e grandes brazas, formando o leito sobre que tombaram para sempre os bravios asseclas do Propheta do Bello-Monte.

O aniquilamento foi o fim do que constituia Canudos, o grande baluarte, considerado por tantos como invencivel, o que na realidade seria, si para sua destruição não se congregrassem todo o esforço, todas as energias de que é capaz o Exercito Brazileiro, cuja parte ali reunida, certamente realizou uma empreza, que por si constituia arduo encargo para um exercito de vinte mil homens valorosos e soffredores.