Página:A Patria Brazileira.djvu/127

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— lli —


no seio, em cuja profundeza enorme,

coberta de negror, habitam monstros legendarios, dorme toda a legião phantastica do horror!

Mas de um e de outro lado, nas margens, como o quadro é differente! Sob o docél daquelle céo ridente

dos climas do Equador, ha tanta vida, tanta,

ó céos! e ha tanto amor! Desde que no horisonte o sol é nado

até que expira o dia, é toda a voz da natureza um brado

immenso de alegria; e vôa aquelle grande sussurrar de festas,

vibrante de ventura, desde o seio profundo das florestas até ás praias que cegam de brancura!

Mas o rio lethal,

como estagnado e morto, arrasta entre o pomposo festival lentamente o seu manto perennal

de lucto e desconforto. Passa — e como que a morte tem no seio! Passa — tão triste e escuro, que dissereis, vendo-o, que elle das lagrimas estereis

de Satanaz proveio; ou que ficou, do primitivo dia, quando ao — Faça-se!— a luz raiou no espaço, esquecido, da terra no regaço, um farrapo do cháos que se extinguia.

Para acordal-o, a onça dá rugidos,

que os bosques ouvem, de terror transidos.

Para alegral-o, o passaro levanta

voz com que a propria penha se quebranta.

Das flores o thuribulo suspenso

manda-lhe effluvios de perenne incenso.