Página:A Patria Brazileira.djvu/188

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 172 —


outra que se lhe compare em vastidão, ou em numero e segurança de ancoradouros.

As esquadras extrangeiras e a marinha mercante de todas as nações, é licito dizer-se, poderiam ahi fundear folgadamente.

Na bahia de Todos os Santos ancorou a primeira esquadra hollandeza que veiu ao Brazil com animo de apoderar-se da então colónia hespanhola.

Gompunha-se a expedição de vinte e três navios e três hiates, armados com 500 boccas de fogo e 1.700 homens, que conseguiram, sem grande resistência, apossar-se da cidade. Nella se mantiveram durante um anno, sendo finalmente repellidos, em consequência das perseguições e prejuízos que lhes causaram em terra as chamadas coiíijjanhias de emboscadas, e dos reforços navaes enviados pela Hespanha, constantes de uma esquadra de 52 navios com mais de 12.000 homens.

Foi ainda nessa bahia que se abateram os últimos esforços de Portugal, para a manutenção do seu domínio sobre o Brazil.

Gomo já vos dissemos em logar opportuno, no dia 2 de Julho de 1822 toda a tropa portugueza existente na cidade de S. Salvador embarcava nos respectivos navios de guerra e fazia-se de vela para a Europa, ficando assim positivamente firmada a independência do Brazil.

Leiamos, a propósito, a inspirada producção de Gastro Alves:

ODE AO 2 DE JULHO

Era no dois de Julho. A pugna immensa Travára-se nos cerros da Bahia... O anjo da morte pallido cosia Uma vasta mortalha em Pirajá.

— Neste lençol tão largo, tão extenso, Como um pedaço roto do infinito...

O mundo perguntava, erguendo um grito:

— Qual dos gigantes morto rolará?!...