Página:A Patria Brazileira.djvu/189

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 173 —


Debruçados do céo... a noite e os astros Seguiam da peleja o incerto fado... Era a tocha — o fuzil avermelhado! Era o circo de Roma — o vasto chão! Por palmas — o troar da artilharia! Por feras — os canhões negros rugiam! Por athletas — dois povos se baliam! Enorme amphitheatro — era a amplidão!

Não! Não eram dois povos que abalavam Naquelle instante o solo ensanguentado... Era o porvir — em frente do passado, A liberdade — em frente á escravidão. Era a lucta das águias — e do abutre, A revolta do pulso — contra os ferros, O pugilato da razão — com os erros, O duello da treva — e do clarão!...

No emtanto a lucta recrescia indómita... As bandeiras — como águias eriçadas Se abysmavam com as azas desdobradas Na selva escura da fumaça atroz... Tonto de espanto, cego de metralha, O archanjo do triumpho vacillava... E a gloria desgrenhada acalentava O cadáver sangrento dos heróes I,.

Mas, quando a branca estrella matutina Surgiu do espaço... e as brizas forasteiras, No verde leque das gentis palmeiras. Foram cantar os hymnos do arrebol, Lá do campo deserto da batalha Uma voz se elevou clara e divina: Eras tu — liberdade peregrina! Esposa do porvir — noiva do sol!...

Eras tu que com os dedos ensopados No sangue dos avós mortos na guerra. Livre sagravas a Columbia terra. Sagravas livre a nova geração!