Página:A Patria Brazileira.djvu/236

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 220 —


suas sentidas — Canções do Exilio — celebrava na dulcissima poesia, uma das mais populares no Brazil:

MINHA TERRA

Todos cantam sua terra, Também vou cantar a minha, Nas débeis cordas da lyra Hei de fazel-a rainha.

— Hei de dar-lhe a realeza Nesse throno de belleza, Em que a mão da natureza Esmerou- se em quanto tinha.

Correi pr′as bandas do sul: Debaixo dum céo de anil, Encontrareis o gigante Santa Cruz, hoje Brazil.

— É uma terra de amores. Alcatifada de flores.

Onde a brisa falla amores Nas bellas tardes de abril.

Tem tantas bellezas, tantas, A minha terra natal, Que nem as sonha um poeta E nem as canta um mortal!

— É uma terra encantada,

— Mimoso jardim de fada — Do mundo todo invejada, Que o mundo não tem egual.

Não, não tem, que Deus fadou-a Dentre todas — a primeira: Deu-lhe esses campos bordados, Deu-lhe os leques da palmeira, E a borboleta que adeja Sobre as flores que ella beija. Quando o vento rumoreja, E a folhagem da mangueira.