Página:A Patria Brazileira.djvu/297

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
279 —


Capitulo III

Raca

o

Na epocha do descobrimento, era o Brazil habitado por Índios selvagens, sobre cuja apparencia e costumes substituiremos aqui palavras nossas por diversos trechos de um documento importantíssimo, cujo original se acha ainda hoje na Tojí-e do Tombo em Lisboa, — «o auto solemne do descobrimento, a primeira palavra sobre a historia do Brazil» —, na phrase de um escriptor.

É a carta que Pêro Vaz de Caminha, Escrivão na flotilha de Pedro Alvares Cabral, dirigiu a D. Manoel, Rei de Portugal, no dia 1. de Maio de 1500.

Preferimos transcrever alguns tópicos, não só porque tereis bem viva a impressão daquelle tempo, como ainda para vulgarisar nas escolas as primeiras palavras escriptas sobre nosso Brazil.

. Lêde-a, pois, na parte referente a dois indígenas que foram conduzidos a bordo da náo de Pedro Alvares Cabral:

«O capitão, quando elles vieram, estava assentado em uma cadeira, com uma altatifa aos pés por estrado e bem vestido, com um collar de ouro mui grande ao pescoço, e Sancho de Toar e Nicoláo Coelho e Ayres Corrêa e mais outros, que aqui na náo com elle iamos, assentados no chão por essa altatifa. Acenderam tochas e entraram e não fizeram nenhuma menção de cortezia, nem de falar ao capitão, nem a ninguém. Pêro um d′elles poz olho no collar do capitão e começou de acenar com a mão para terra e depois para o collar, como que nos dizia que havia em terra ouro.

E também viu um castiçal de prata, e assim mesmo acenava para terra e então para o castiçal, como que havia também prata. MostraramIhes um papagaio pardo, que aqui o capitão traz, tomaram-no logo na