Página:A Patria Brazileira.djvu/352

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 332 —


Somente em casos muito melindrosos, quando o arbitramento puder ser considerado uma fraqueza, uma indignidade, deante da afFronta recebida, deverá o Governo recorrer á guerra.

Gomo já vistes, a propósito da occupação de nossa ilha da Trindade pela Inglaterra, em 1895, o Brazil com elevada dignidade recusou o arbitramento que lhe fora proposto, devendo ser a Nação arrastada até onde os acontecimentos a pudessem levar na defesa de seus brios e interesses, si nossa firme e incontrastavel discussão diplomática não tivesse forçado a Inglaterra a reconhecer nosso Direito.

E a prova de que desejamos viver em paz é que, ao passo que as grandes nações européas apparelham milhões de soldados, nós mantemos apenas reduzidas forças, como vereis adeante.

Demais, o Brazil sabe que é immensuravel o patriotismo de seus filhos, quando se trata da defesa da honra nacional: para attestal-o de um modo eloquentissimo, ahi está em nossa historia o exemplo da guerra contra o Dictador do Paraguay, onde, ao lado das forças regulares, os Voluniarios da Pátria, em numerosíssimos batalhões, levantaram muito alto o nome brazileiro.

Entre seus meios de defesa conta o Brazil muitas Fortalezas, das quaes as mais importantes guardam a Capital da Republica. Dentre estas, destacaremos as que vos damos a apreciar em seguida:

A fortaleza Santa Cruz está situada á entrada da bahia de Guanabara, como sentinella avançada, e dispõe de bom armamento moderno e poderoso. Foi um dos mais firmes baluartes do Governo do Marechal Floriano Peixoto, durante a revolta de parte da armada, em 1893.

Commandava-a então o Tenente Coronel Pedro Alves.