Página:A campanha de Canudos.pdf/21

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
17
a campanha de canudos


Como, em todo o caso, não tivessem cessado os receios de attentados, que de uma hora para outra aquella gente agglomerada e destemida poderia praticar, e, do mais, tivessem fra­cassado as diligencias organizadas para chamal-a ao dever, o dr. Joaquim Manoel Rodrigues Lima, que era a esse tempo go­vernador da Bahia, cogitou noutro meio que se lhe afigurava mais efflcaz e adequado ao fim que se visava então.

E com esse nobilissimo proposito se entendeu com o prelado da archidiocese, ficando entre os dois assentada a ida do capuchinho fr. João Evangelista do Monte Marciano, a quem foi commettida a missão de fazer o Conselheiro tornar com sua gente para o gremio da Egreja, e obediencia as leis e autoridades do paiz.

Desde o dia 13 até 21 de maio de 1895, o digno religioso permaneceu no arraial de Canudos.

Mas, infelizmente, não logrou elle realizar seus intuitos, e todo o trabalho, que então despendera, se esterilizou deante da teimosia e da ignorancia que os fanaticos ostentavam.

Muito melhor, poróm, do que eu poderia fazel-o, o proprio fr. João vae narrar o occorrido, como se verá do seu relatorio, que eu tomo a liberdade de registrar aqui:

« Exm. e revm.sr.— Não ignora v. ex. revma. que o exm e revm. sr. arcebispo, nas vesperas de sua viagem para a visita ad limina apostolorum, confiou-me a ardua missão de ir ao po­voado de Canudos, freguezia do Cumbe, onde se estabeleceu o indivíduo conhecido vulgarmente por Antonio Conselheiro, afim de procurar pela prégação da verdade evangelica, e appellando para os sentimentos da fé catholica, que esse indivíduo diz pro­fessar, charnal-o e aos seus infelizes assectas aos deveres de catholicos e de cidadãos, que de todo esqueceram, e violam habitualmente com as praticas as mais extravagantes e condemnaveis, offendendo a religião e perturbando a ordem publica. Comprehendendo bem as graves difficuldades da tarefa, acceitei-a como filho da obediencia, e confiado só na misericórdia e no poder infinito d’Aquelle que, para fazer o bem, serve-se dos mais fracos e humildes instrumentos, e não cessa de querer que os mais inveterados peccadores se convertam e se salvem.