Página:A escrava Isaura (1875).djvu/179

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

169

vimentos do infame Martinho, quando encostado ao umbral da saleta com um papel na mão, parecia examinal-a com a mais minuciosa attenção. Aquella vista produzio nella o effeito de um raio; não duvidou mais que estava descoberta, e irremissivelmente perdida para sempre. Subita vertigem lhe escureceo os olhos, pareceo-lhe que o chão lhe faltava debaixo dos pés, e que ia sendo tragada pelas fauces de um abysmo immensuravel. Para não cahir foi-lhe preciso agarrar-se fortemente com ambas as mãos ao braço de Alvaro arrimando-se em seo peito.

— Que tem, minha senhora? — perguntára-lhe este, assustado. — Está incommodada?...

— Algum tanto, — respondeo Elvira com voz desfallecida e arquejante, e reanimando-se pouco a pouco. — Foi uma dor aguda... uma pontada deste lado... mas vae passando.... não estou acostumada com este aperto... o remoinhar da dansa me fez mal.

— Mas ha-de acostumar-se em pouco tempo, — replicou-lhe Alvaro, segurando-lhe uma das mãos e sustendo-a com um braço pela cintura. — A senhora nasceo para brilhar nos salões;... mas, se quer retirar-se....

— Não, senhor; continuemos; já agora estamos na final...

Com estas respostas evasivas Alvaro tranquillizou-se, e em razão dos movimentos rapidos da