Página:A escrava Isaura (1875).djvu/94

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

que acabem de comer, — continuou elle dirigindo-se ao feitor, — leve-as para a colheita do café. Ha muito que eu pretendia recomendar-lhe isto e tenho-me esquecido. Não as quero aqui mais nem um instante; isto é um lugar de vadiação, em que perdem o tempo sem proveito algum, em continuas palestras. Não falta por ahi tecidos de algodão para se comprar.

Mal o feitor se retirou, Leoncio dirigio-se para junto de Isaura.

— Isaura! murmurou com voz meiga e commovida.

— Senhor! — respondeo a escrava erguendo-se sobresaltada; depois murmurou tristemente dentro d’alma: — meo Deos! é elle!... é chegada a hora do supplicio.