Página:A escravidão dos negros.pdf/108

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
104
A ESCRAVIDÃO


     Eu iria até a affirmar que póder-se-hia encontrar, durante um prazo mais longo, medicos integros, escolhendo-os, não entre os praticos mediocres, porém, entre os moços animados pela paixão da sciencia e que iriam para as colonias menos para enriquecer do que para estudar.

     A proposição de libertar dous escravos, quando desaparecido um, póde parecer ridicula; mas, ficaria ao senhor a liberdade de provar ter o escravo fugido, podendo-se mesmo admittir á seu favor o depoimento dos outros escravos; e, em summa, esta lei, álias temporaria, se reduziria á applicação d'estes principios. Para condemnar á outro castigo o senhor accusado de ter feito desapparecer um escravo, seria preciso uma prova completa; no emtanto que a suspeita basta para obrigal-o a um acto a que, aliás, a justiça rigorosa exigiria que elle fosse coagido, ainda quando innocente.

N. do A.
F.


Sobre a probidade dos magistrados e mais funccionarios coloniaes.

VEJA-SE PAG. 70.

     Todo o homem nascido pobre e que adquire grande fortuna é, necessariamente, um homem avarento, pouco escrupuloso sobre os meios de enriquecer e que sacrificou seu prazer e seu repouso á cobiça; e quanto maiores cuidados lhe exigiram os meios de enriquecer, quanto mais obrigado tiver sido a occuparse com negocios de dinheiro, tanto mais certo será que o amor das riquezas é a sua paixão dominante. Ora, as almas dominadas por tal paixão pódem tomar a mascara de todas as virtudes e até a do desinteresse, porém não teem, na realidade, nem uma d'aquellas, nem este. Uma probidade commum póde ser encontrada em todos os gráos de fortuna; porém, si exigis alguma cousa mais, então nunca o procureis entre os homens que, tendo passado da indigencia a uma fortuna rasoavel para seu estado d'elles, não se contentaram com isso.

     Não nos referimos aqui — bem entendido — aos que devem o augmento de sua fortuna á economia.

N. do A.