Página:A escravidão dos negros.pdf/79

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
75
CONDORCET

tentar sua familia. Estas duas despezas pódem compensarse; pois, na ordem natural um homem e uma mulher produzem um filho e uma filha, e a quantia que custa o sustento d'esses dous filhos até á edade em que pódem principiar a travalhar por si, sommada ao custo de sustento dos outros filhos da mesma familia que tenham fallecido em meenor edade, deve ser egual ou inferior ao custo da compra de um negro ou negra, pois, do contrario, seria prefirivel comprar escravos á crial-os, o que não é exacto. Si é preciso que o negro livre ganhe com que possa soccorrer seus paes na velhice, ou economisar para a sua propria, é tambem preciso que o senhor sustente o negro velho.

     Portanto, a cultura por meio de negros livres não é por natureza mais cara que a feita por escravos; o é apenas porque a partilha do producto bruto regula-se, no regimen escravo, ao bel prazer da cobiça do senhor.

     No primeiro caso, é a concurrencia reciproca dos trabalhadores e propietarios que fixa o preço dos salarios, e não o calculo feito pela avareza sobre a miseria a que se póde reduzir um homem sem diminuir em maior proporção a quantidade de trabalho que se póde obter d'elle á força de chicote. Todavia, não se deve imaginar que a differença de custo entre esses dous systemas de cultura seja tão grande como á primeira vista parece. Para isto, basta attender-se ás seguintes observações:

     1.ª — As terras cedidas aos negros para sua nutrição são mal cultivadas; no emtanto, sel-o-hiam muito melhor sendo-lhes arrendadas como a colonos livres.