Página:A maçonaria e os jesuitas.djvu/18

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


— 12 —


donde deve resultar em dia determinado a alforria do mundo inteiro, a republica fraternal e a harmonia da humanidade. Este pensamento não foi ainda comprehendido pelos nossos irmãos d’além dos Alpes. Elles crêm que a Italia revolucionaria só póde conspirar na sombra, distribuir algumas punhaladas a esbirros e traidores, e soffrer tranquillamente o jugo dos successos que se verificam além dos montes pela Italia, mas sem a Italia. Este erro já muitas vezes nos foi fatal: não devemos combatel-o com phrases; seria o mesmo que propagal-o: é mister acabar com elle por meio de factos. Por isto, entre os cuidados que têm o privilegio de agitar os espiritos mais poderosos das nossas Vendas, um ha que não devemos esquecer.

« O Papado exerceu sempre acção decisiva nos negocios da Italia. Pelo braço, voz, penna e coração dos seus numerosos Bispos, padres, frades, religiosos e fieis de todos os paizes, o Papado tem sempre pessoas dedicadas para o martyrio e para o enthusiasmo. Em toda a parte onde os chama, encontra amigos que morrem por elle ou de tudo se privam por sua causa. É uma immensa alavanca, cuja força só alguns papas avaliaram, empregando-a todavia com muita parcimonia. Não se trata hoje para isso de restabelecer esse poder, cujo prestigio momentaneamente se acha debilitado: o nosso fim principal é o de Voltaire e da Revolução franceza: o aniquilamento perpetuo do Catholicismo e até da idéa cristã, que, no caso de permanecer de pé sobre as ruinas de Roma, viria a perpetuar-se mais adiante. Para attingir porém com mais certeza este fim e não prepararmos com satisfação revezes, que adiam indefinidamente e compromettem no futuro o exito de uma boa