Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/113

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


—­Trago-te visitas de alguem, que em poucos dias te dará em vez de visitas, um abraço.

—­De quem? Ah!... Angelo escreveu-lhe?

—­Como adivinhaste depressa!

—­Pois de quem maïs havia de ser? Mas diz que... em poucos dias... Então?

—­Tel-o-hemos cá pelo Natal.

—­Fala verdade?

—­Assim m’o diz n’esta carta. Queres ler?

—­Para quê?—­respondeu a rapariga, fitando porém o papel com os olhos cheios de curiosidade.

—­Ora lê, lê... Até para vêr se ainda te recordas das lições, que eu te dei.

—­Ai, lá isso... mas, o caldo do meu padrinho...

—­Deixa que o lume é que o ha de aquecer e não a tua presença.

Ermelinda approximou-se; tomando a carta das mãos de Augusto, começou a lêl-a com intensa curiosidade.

Zé P’reira proseguiu no seu monólogo:

—­A religião, senhores—­dissertava elle—­não manda tal... Isso é que não manda... A religião é a palavra de Deus... e Deus disse... sim... Deus disse... Deus disse muita coisa... Disse que por este deixarás pae e mãe. Ora a santa madre igreja é mãe, é, sim, senhores; que tem lá isso? mas não é maïs mãe do que a outra mãe... e então... senhores, uma mulher não deve deixar por ella o seu marido; porque o marido, senhores, é o tudo de uma casa, e o ganhapão da familia. Ora, senhores, que é forte desgraça.

O monólogo do desconsolado conjuge e a leitura de Ermelinda foram interrompidos por uma voz potente, que cantava na rúa.

O dinheiro paga tudo, Não se fica a dever nada; Toma, toma o limão verde, Ó da fresca limonada.