Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/132

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


—­Ai, muito. Eu sou doida por estás coisas de lavoura; bem sabes.—­E, mudando repentinamente de tom, accrescentou:—­Ora vamos, Christe; não te zangues commigo.

—­Não, mas é que ás vezes não te entendo, a falar verdade. Vens com umas coisas que mettem raiva—­respondeu-lhe Christina, sempre agastada.

—­Já estou arrependida; peço perdão. Fala lá á tua vontade no primo Henrique, fala; que eu não contarei as vezes que o fizeres.

Christina reproduziu o gesto de impaciencia.

—­Agradeço a tua generosidade, mas já não tenho maïs que dizer d’elle agora; por isso...

—­Pelo menos completa a duzia.

—­Lena! Então! Olha que se continuas com isso, fazes-me sair d’aqui.

—­Sempre queria que te vissem agora, Christe, esses que andam por ahi a gabar a docilidade do teu genio, as branduras da tua indole; queria que te vissem essa cara arrenegada, para saberem que tambem ha um acidozinho na tal doçura... Mas fazes-me a graça de só para mim teres d’essas franquezas.

Christina sorriu, ainda que não de todo aplacada, ao ouvir está reflexão da prima.

—­E não sabes a razão d’isso?—­respondeu-lhe ella—­a razão é o genio que tens, Lena. O teu gôsto é mortificares uma pessoa. Não ha santo que não perdesse a paciencia comtigo.

—­Que injustiça! que ingratidão! Eu, que sou a victima das tempestades que o teu genio pouco expansivo te junta no coração a todo o instante! Se alguma coisa te faz chorar, guardas as lágrimas para o meu quarto; se te irritam, vens desafogar as tuas cólerazinhas sobre a minha cabeça. E pagas-me assim!

—­És muito infeliz commigo. Pobre Lena!

—­Vamos, vamos, Christe! esquece o que eu disse ha pouco. Não te posso vêr assim.—­E tomando