Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/155

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
155

panhia—­accrescentou, olhando significativamente para a morgadinha-não teria dúvida em subscrever está quadra, como a exacta expressão do meu sentir, porque...

Em vez de erguer os olhares.
A' luz d’este firmamento

Eu tambem...

Os abaixaria aos lares
Onde tenho o pensamento.

Christina levantou-se tambem da mesa e foi ter com Augusto á alameda.

Magdalena, que a seguiu com a vista, não disfarçou um gesto de despeito ao ficar só com Henrique.

—­Prima Magdalena,—­disse em tom maïs affectuoso Henrique, passado tempo, e depois de maïs algumas palavras—­deixe-me falar-lhe com franqueza, agora que estamos sós. Conhecemo-nos ha dois dias; eu, porém, sinto-me tão seguro já do que lhe vou dizer, que não hesito. Não pode imaginär a indelevel recordação que me ficará d’esta manhã.

—­Perdão,—­atalhou Magdalena—­diga-me primeiro o que é isso que me vae dizer. Prepara-se para me agradecer o almoço? Eu sou como os reis; gosto de estar prevenida do sentido das felicitações que me dirigem, para ir preparando uma resposta adequada.

-Que prazer tem em ser cruel!

-Deixemo-nos de loucuras—­continuou Magdalena, séria já.—­Quem ouvisse o sr. Henrique de Souzellas havia de suppôr que se preparava para me fazer uma declaração.

-Uma declaração do maïs puro affecto, do maïs sincero sentimento, por que não?

-Ah! Pois, se eram essas de facto as suas intenções, peço-lhe desista d’ellas.