Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/221

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
221

O herbanario parecia ligar grande valor a estás perguntas, porque a cada resposta obtida, abanava pausadamente a cabeça com certo ar meditativo.

Augusto relanceava tambem para a fronte, meio contrahida, do velho um olhar entre curioso e timido.

O herbanario proseguiu:

—­Emfim... A desconfiança é um achaque de velhice e nem sempre os maïs felizes são os maïs acautelados. Deus que vêle, se os bons lhe merecem ainda a graça da sua protecção.

—­O tío Vicente desconfia do primo Henrique? perguntou Angelo, rindo.

—­Primo?!—­repetiu o velho, admirado.

—­Primo lhe chamamos nós, porque a tia Victoria teima que, sendo elle sobrinho da tia Dorothéa, é nosso primo tambem.

—­Ah? Já ahi vamos? E Lena?...

—­Lena, Christe, todos lhe chamam por lá assim.

O herbanario poz-se a murmurar algumas palavras inintelligiveis, terminando por estás:

—­E, como no Egypto, é o vento sul que traz a praga dos gafanhotos. Mas Deus que vêle, Deus que vêle. E eu não me demoro maïs, que vou ainda d’aqui aos pardieiros de Cernuche.

—­Á caça dos sapos, tío Vicente?—­perguntou Angelo, gracejando.

—­Não, que não é agora o tempo—­respondeu, sisudo, o velho.

—­Dos sapos! Galante caça, na verdade!—­continuou Angelo no mesmo tom.

—­Galante não será ella, pequeño,—­respondeu o velho;—­mas abençoada a chamarias se te torcesses no leito com as dores do carbunculo, que não ha remedio maïs efficaz para o curar, do que a pelle d’estes animaes sêcca ao ar livre.

—­E a das toupeiras? O tío Vicente tambem caça toupeiras?