Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/263

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


que pelo menos me concederá licença para exercer, junto de si, as humildes funcções de porteiro.

Era Henrique de Souzellas.

Magdalena não foi superior a um vago sentimento de receio, ao encontrar-se ahi com o hospede de Alvapenha; comtudo esforçou-se por dominar-se e respondeu, com apparente presença de espirito:

—­Ah! É o primo Henrique. Muito boas noites. Ahi temos um requinte de galanteria, que eu estava muito longe de esperar.

—­E de desejar, não?

—­E de desejar tambem; confesso-o. Por maïs diligente que seja um porteiro, nunca o é tanto como uma porta aberta.

—­Mas é maïs discreto.

—­Duvido. Em todo o caso, agradeço o incómmodo.

E, dizendo isto, preparava-se para entrar, sem maïs explicações.

—­Uma palavra, prima Magdalena—­disse Henrique, retendo-a por o braço e com certa expressão nas palavras e no gesto, que redobrou o sobresalto da morgadinha.—­Não ha maïs accommodado terreno para um dialogo solemne do que o limiar de uma porta. Ordinariamente no limiar das portas o homem muda de mascara; depõe a que apresenta na sociedade e afivela a que traz na familia, e vice-versa. Ora n’estas mudanças é fácil surprehender o verdadeiro rosto da pessoa.

—­Será tudo o que quizer o limiar de uma porta, primo; menos um logar muito confortavel para serões n’uma noite de dezembro.

E Magdalena tentou de novo seguir para deante.

Henrique susteve-a outra vez.

—­Um momento só, prima Magdalena; tenho necessidade de saber se me quer para alliado où para inimigo.

—­Não vejo a necessidade da alliança que propõe, nem as razões para a lucta.