Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/282

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


se ficar um pouco atraz para dar tempo a Henrique de offerecer o braço a Christina, o que effectivamente aconteceu.

—­Bem,—­disse Magdalena comsigo ao vêl-os—­agora que os anjos bons de um e de outro se convençam da obra meritoria que fazem entendendo-se.

E, approximando-se do pae, Magdalena apoiou-se-lhe no braço.

Angelo ia com as creanças adeante.

Approximemo-nos nós de Henrique e de Christina, para vêr se os anjos bons d’elles ambos accederam ao convite de Magdalena.

—­Não ha prazer que se compare ao de um passeio assim pelos campos, n’uma manhã como a de hoje, e em companhia tão amavel—­dizia Henrique, procurando aquilatar o espirito da sua partner, n’um certame de galanteria, fóra do qual não concebia que se pudesse temperar uma paixão.

Pobre rapariga! Que eloquentes e apaixonadas respostas lhe estava porventura ditando a alma! mas o enleio da timidez fechava-lhe os labios, não lhe deixando formulal-as; apenas pôde responder:

—­Está muito agradavel a manhã, está; nem parece de inverno!

—­Pelo que vejo, não gosta do inverno? É natural em uma senhora isso. Faltam-lhe as flores e as aves, suas irmãs. Eu prefiro o inverno, porque prepara a vida intima, as scenas ao canto do fogão, as leituras em commum, e traz-me á ideia as imagens de um viver a que a phantasia de todos sorri; de todos os que teem um resto de coração; refiro-me ás imagens de uma familia.

Não ha quem sustente maïs tremendas luctas do que os timidos. A alma revolta-se n’elles, com toda a violencia dos seus instinctos, contra não sei que mysterio de temperamento, que lhes réprime as expansões. Na apparencia é fraqueza e serenidade, mas no intimo ha esforços realisados, que os fortes nem concebem sequer.