Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/283

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Christina encobria no seu enleio uma d’estas luctas. Os labios só puderam responder:

—­Na cidade o inverno é maïs fácil de passar, julgo eu; porém na aldeia...

—­Na aldeia e em toda a parte se pode gosar a felicidade que eu imagino. Não é fóra das portas de casa que devemos procurar os elementos para instituir a nossa ventura, e por isso... Mas a prima ha de estar admirada de ouvir falar assim um homem que completou os seus vinte e sete annos sem familia. Não é verdade?

Christina só pôde sorrir:

—­Mas que quer? Quem muito idealisa arrisca-se a morrer apaixonado do ideal e abraçado á peor das realidades. É a consequencia legitima e triste do aspirar demasiado. Até hoje tenho encontrado na vida mulheres formosas, amaveis, interessantes; porém nenhuma que satisfizesse ás necessidades do meu coração, de quem me affirmasse a consciencia poder esperar a realisação do meu sonho. Perdôe-me falar-lhe n’isto, priminha; é uma ousadia que tomei, porque um instincto me disse que possue no coração bastante bondade para m’a perdoar.

—­Está a gracejar?—­disse Christina, em quem redobrava a turbação, e que, ao mesmo tempo que estava sendo feliz, desejava vêr interrompida a sua felicidade: contradicções proprias dos timidos.

—­A prima é muito moça—­continuou Henrique, que não desesperava ainda de animar está Galatheia—­e talvez por isso lhe causará estranheza este meu modo de falar. Um dia virá, porém, em que o comprehenderá melhor. Se então encontrar um desconfortado como eu, peço-lhe que tenha misericordia d’elle e o salve do desalento, em attenção a quem a conheceu n’uma época, em que só podia vêr em si, priminha, a aurora de uma esperança que já não tinha de luzir para elle.

—­Mas... salval-o!... como salval-o!...

—­Como as mulheres salvam; amando.