Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/323

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
49

—­E depois a mim:


Viva a senhora Maria,
A perola das criadas,
Quando se chega á janella
Ficam as estrellas pasmadas.

—­Ora com o que você vem, mulher! Não tinham as estrellas maïs que fazer do que pasmarem—­disse D. Dorothéa.

—­Isso é por dizer, senhora; já se sabe que... sim... como o outro que diz...

—­E além do João do Trolha, quem ha maïs que faça versos?—­perguntou Henrique.

—­Que eu saiba...—­disseram as duas.

—­E aquelle Augusto?

—­O Augustito do doutor? O filho! Coitado do pobre rapaz. Elle sim! Credo! Não, aquillo é um rapaz de muito juizo.

—­Isso não tira. Então a tia julga que só os tolos fazem versos?

—­Tolos não digo, mas...

—­Mas um pouco feridos na aza, não é verdade?

—­Ora pois então dize-me tu, menino, se um homem sério... sim... um homem de respeito, faz versos?

—­Por que não?

—­Versos?!

—­Versos, sim, senhora.

D. Dorothéa fez um gesto de incredulidade.

Henrique ia redarguir, quando ouviram passos no patamar de pedra da entrada e após algumas pancadas á porta da sala.

—­Abra, tia Dorothéa—­disseram de fóra as vozes de Magdalena e deChristina, que fôram logo reconhecidas.

E cêdo depois entravam alegremente na sala, em companhia de D. Victoria, que vinha maïs retardada.

D. Dorothéa levantou-se para recebel-as.