Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/432

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
158

dante, o desesperado pae ajoelhou junto do esquife, onde depoz com cautela o corpo da filha.

—­Obrigado, menina Magdalena, por dar á minha pequena um logar ao pé de sua mãe; obrigado. Junto d’aquella santa parece-me que dormirá em socêgo... A minha pobre filha!

E pousando nos labios frios da creança um beijo prolongado, cheio de paixão e saudade, levantou o esquife nos braços para, por suas proprias mãos, o descer ao jazigo. Antes, porém, de fazel-o, beijou ainda uma vez aquella de que mal podia separar-se.

Cêdo baixou sobre o pequeño esquife a pedra tumular.

Nem um só movimento, nem uma só voz tentou oppôr-se áquelle acto, contra o qual momentos antes se erguia irreprimivel a resistencia popular.

Os influentes maïs insoffridos tinham abandonado o campo.

O primeiro que o fizera fôra o missionario. Desde que vira assomar a figura do Cancella, vieram-lhe ao espirito umas memorias pouco agradaveis, e julgou avisado retirar a tempo.

Ao terminar está scena o proprio morgado e o inseparavel Cosme já não estavam presentes. Sairam desde que viram os animos pouco dispostos a secundal-os.

Os circumstantes quasi faziam já côro com as arguições do Cancella contra os excessos do fanatismo e do beaterio.

—­A falar verdade—­dizia um—­este pobre homem tem alguma razão. Isto de metter scismas ás creanças!...

—­E a Rosita do Gaudencio olha que vae por a mesma.

—­Tambem é de maïs.

—­Eu por mim se fôsse a elle... Não sei o que faria.

N’estes e n’outros dizeres se iam retirando do cemiterio.