Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/468

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


—­Pois tambem a ti o disse? Olhem que homem de segredo!

—­Isso é que não. Eu não disse á sr.^a D. Magdalena... Ella é que...

—­Foi o que eu disse ha pouco. A discreção do Torquato é que revelou o segredo.

—­Como?

—­O Torquato falou com o seu velho amigo herbanario.

—­Eu a esse não disse.

—­Não, a esse quiz occultar, e d’ahi é que veio o mal.

—­Ora, ora...

—­O que eu sei é que Vicente veio procurar-me á porta do Mosteiro, e ralhou-me com uma severidade e uma aspereza, como ainda lhe não tinha merecido nunca. Estava o homem convencido de que eu era a heroina de umas aventuras romanticas que se verificavam de noite n’esta minha propriedade dos Cannaviaes. E tão irritado estava, que me não quiz ouvir, quando eu procurava esclarecer o que para mim era um perfeito enigma. Ao retirar-se, porém, disse-me que não lhe quizesse occultar a verdade, porque do Torquato soubera tudo.

—­Eu não disse...

—­E depois a prima...

—­Eu então chamei este senhor, armei-me de toda a minha gravidade, e exigi que falasse e me dissesse tudo o que havia e tudo o que sabia a respeito de uns passeios aos Cannaviaes; elle estava pêrro, mas a final falou.

—­Mas sabia tambem que eu vinha?—­perguntou Henrique.

—­Pois não se lembra de que pela manhã me tinha cançado com perguntas a respeito do caminho para a casa dos Cannaviaes? Eu já extranhava a insistencia; depois do que soube, tive uma suspeita. Perguntei ao Torquato se lhe falára n’isto. A resposta d’elle, apesar da sua hesitação e ambiguidade,