Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/495

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


O conselheiro não pôde maïs desviar os olhos do vulto venerando do herbanario; n’aquelle velho, que fôra seu companheiro de infancia, parecia-lhe estar vendo agora um severo accusador da sua insensibilidade politica, a personificação de um remorso pungente, a primeira apparição de um espectro, que devia perseguil-o no futuro.

Todos os da mesa se levantaram instinctivamente, e, immoveis, viam approximar-se o velho eleitor, que já suppunham á borda da sepultura.

Aquella assembléa, erguendo-se silenciosa e reverente, á chegada de um pobre velho, trémulo e enfermo, que seguia apoiado ao braço de um pallido mancebo, tinha uma apparencia profundamente solemne.

O morgado das Perdizes, devéras affeiçoado ao herbanario, não teve mão em si, ao vêl-o assim doente e enfraquecido, que lhe não viesse ao encontro, dizendo commovido:

—­Ó tío Vicente! pois n’esse estado?!...

O velho fez um gesto enérgico para afastal-o de si.

—­Arreda-te!—­disse com severidade—­deixa-me, serpente, que mordes a mão do teu bemfeitor! Não me appareças, que não quero ter-te na ideia, quando estiver a expirar!

O morgado ficou transido de espanto e de consternação ao ouvir estás palavras.

—­Ó tío Vicente!...—­exclamou, ajuntando as mãos—­pois eu que lhe fiz?

—­Cala-te. Deixa-me passar, quero, como homem d’esta terra, protestar contra a iniquidade que tu e os teus praticam hoje, apedrejando aquelle a quem deveis tudo. Vendei-vos como cães, e ficae-vos com esse remorso: eu não o quero para mim.

E, caminhando para a urna, parou defronte d’el-la, fitou o brazileiro, que não pôde sustentar-lhe o olhar com firmeza, e disse-lhe:

—­Ahi tem o voto do herbanario, sr. présidente.