Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/90

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
90

Um criado serviu-lhe de guía até Alvapenha.

Henrique de Souzellas, ao findar aquella manhã, era inteiramente outro, do que viera para a aldeia. Todas aquellas horas se haviam passado, sem que o affligissem os males habituaes, sem que nem sequer pensasse n’elles. O viver intimo a que assistira, a troca reciproca de affectos entre os membros de tão numerosa familia, a franqueza cordial com que fôra recebido, produziram n’elle uma impressão profunda.

Costumado ao viver desconsolador e de gêlo de rapaz solteiro e só; não passando, nas casas que visitava, além da sala de visitas, esse palco artificioso e reservado, onde as familias ante as familias representavam a comedia social, Henrique estranhára, mas agradavelmente, o espectáculo, quasi novo, d’aquelle interior, d’aquelles modestos costumes, d’aquellas alegrías, que não se envergonham de apparecer sem reservas nem disfarces. Foi uma revelação que recebeu. Sorriu-lhe a ideia de ter um dia uma familia assim; de viver entre creanças que lhe trepassem aos joelhos, na companhia de affectos, que alli via manifestarem-se, e até com alguem que ralhasse com os criados, á maneira de D. Victoria.

Escusado é dizer que a imagem da morgadinha apparecia sempre n’estes quadros que lhe traçava a phantasia: assim como, nos quadros dos grandes mestres, apparecem quasi sempre reproduzidas as feições queridas da mulher que elles traziam no pensamento e a quem deram assim a immortalidade.

De manhã parecera-lhe a aldeia um paraíso terreal; completára-o a figura de uma mulher; sem o sorriso d’ella nem o primeiro homem seria feliz no eden, onde a mão de Deus o collocára.

—­Anda, vagaroso, anda—­disse D. Dorothéa a Henrique, assim que o viu chegar.—­Se o jantar tiver esturro, a culpa é tua.