Página:As mulheres de mantilha.djvu/139

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

— 135 —

— Eu porém quero ouvir-te: acho-me em luta comigo mesmo: hesito....

— Porque?

— O meu desejo era servir, e o meu dever é não servir ao que me pedem.

— Nunca desejaste o mal, e o dever nunca é offendido pelo verdadeiro bem; Deos me perdoe, se erro.

-— Explicar-me-hei melhor: eu desejo e não devo asylar em minha casa esta victima de infame perseguição.

— Se ha victima de infame perseguição, deves dar-lhe asylo e defende-la.

— E' contra as leis d'El-Rei nosso senhor.

— E' conforme as leis de Deos senhor dos reis da terra.

Jeronymo estava no caso daquelles que, almejando ser convencidos para desculpar-se ante á propria consciencia, cedem ás primeiras razões que lhe apresentão: felizmente para elle a primeira razão que a senhora Ignez lhe apresentou, vinha cheia de uncção religiosa.

— Ignez, disse elle; tu reflectes bem.