Página:As organizações no ciberespaço.djvu/36

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


III O CIBERESPAÇO E A SOCIEDADE CIVIL


"É muito bom de vez em quando despertar a consciência das costureiras e dos reis com uma moral que possa impressioná-los, mas para isto é melhor falar como não se fala hoje."
Dicionário Filosófico, Voltaire


Este capítulo analisa o ambiente que surge em virtude da evolução da tecnologia digital, observa a manifestação desse espaço frente à sociedade atual e verifica as suas potencialidades para a sociedade civil. É observada a maneira como fenômeno da esfera pública, sobretudo no que concerne à liberdade na formação da opinião pública, se reproduz e como pode adquirir novas faces com a virtualização das relações informacionais e comunicativas.

Os neologismos relacionados à informática e telemática tornaram-se comuns após a consolidação do uso da computação na sociedade contemporânea. Deletar uma ação ou startar um processo são alguns exemplos de como a linguagem cibernética ultrapassou os limites das telas dos computadores para integrar o vocabulário do cotidiano.

Os computadores se consolidaram em virtude da Terceira Revolução Tecnológica que se iniciou nos Estados Unidos da América, na região denominada de Vale do Silício -- uma referência ao mineral utilizado na fabricação de seus componentes.

O ciclo de revoluções na tecnologia começou com a imprensa de Gutenberg, proporcionando enormes avanços à civilização fizeram extrapolar o valor tangível do produto gerado pela invenção. A Segunda Revolução da tecnologia ocorre no mesmo tempo da Segunda Revolução Industrial, no final do século XIX, foi marcada pelo uso das novas fontes de energia (eletricidade e petróleo) e pelas mudanças que tal tecnologia impôs aos homens. Segundo Silveira (2001),

"O domínio e a disseminação da nova tecnologia redesenharam de tal forma o mundo que atualmente não saberíamos como viver em agrupamentos urbanos sem a energia elétrica. A crise energética brasileira, anunciada desde 1999 e assumida em 2001, deixa claro quão profundamente uma tecnologia se alastra e penetra no cotidiano. Com racionamento econômico